Comissão informa prejuízos com granizo para governo federal considerar no cálculo do preço da uva - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Agricultura02/11/2018 | 13h09Atualizada em 02/11/2018 | 13h09

Comissão informa prejuízos com granizo para governo federal considerar no cálculo do preço da uva

Emater calculou um prejuízo de R$ 345 milhões nas lavouras em geral

Comissão informa prejuízos com granizo para governo federal considerar no cálculo do preço da uva Porthus Junior/Agencia RBS
Localidade de Linha 100, no interior de Flores das Cunha, foi uma das que foram fortemente atingidas pelo temporal Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Os prejuízos com o granizo da madrugada de quarta-feira (31) na agricultura da Serra foram informados ao governo federal na expectativa de que o evento climático seja considerado no cálculo do preço da uva. Conforme Olir Schiavenin, que integra a Comissão Interestadual da Uva, a informação foi repassada para a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e o Ministério da Agricultura a partir de um levantamento feito em propriedades de Nova Pádua e Flores da Cunha. Ele explica que, só em Flores da Cunha, 80% da área de produção de uva foi atingida. Dentro dessa área, a perda média foi de 80%, sendo que houve produtores que perderam 100% da produção.

Em Nova Pádua, a perda chegou a 90%, conforme levantamento do município. Na Serra Gaúcha, a Emater calculou um prejuízo de R$ 345 milhões nas lavouras em geral, com perdas principalmente na uva e no pêssego.

Schiavenin explica que caberá agora aos órgãos federais fazerem o cálculo e encaminharem para análise do Conselho Monetário Nacional, que depois de aprovar o preço mínimo do quilo da uva, vai devolver o processo aos Ministérios da Agricultura e Fazenda para que esses órgãos encaminhem a publicação no Diário Oficial. A expectativa é que as perdas tenham um efeito de aumentar o preço da uva, em relação ao valor que seria calculado se o prejuízo não houvesse ocorrido. O aumento seria necessário por conta da diminuição do volume de produção para a demanda das indústrias.

A comissão já havia encaminhado a tabela de custos de produção com o apontamento do preço mínimo sugerido para a próxima safra, que seria em torno de R$ 1,30 o quilo, preço igual ao custo calculado. Segundo Schiavenin, no entanto, após o trâmite no governo federal, o preço fica sempre menor do que o sugerido pela comissão.

Nas últimas duas safras, o preço mínimo oficial ficou em R$ 0,92 o quilo. Nas duas oportunidades, o preço encaminhado pela comissão havia ficado acima de R$ 1,00.

Leia também
Não conseguiu votar? Saiba como justificar ausência
Milhares de pessoas visitam Cemitério Municipal de Caxias nesta sexta-feira
Dezenas de bairros de Caxias podem ter falta de água devido a rompimento de tubulação

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros