Economia caxiense deve crescer 8% este ano - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Desempenho30/10/2018 | 16h33Atualizada em 30/10/2018 | 19h14

Economia caxiense deve crescer 8% este ano

O desempenho dos setores recuou em setembro, mas o clima pós-eleições  é de otimismo entre os empresários

Economia caxiense deve crescer 8% este ano Roni Rigon/Agencia RBS
Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Com apenas 18 dias úteis, o desempenho da economia caxiense recuou 3,1% no mês de setembro. Mas o clima é de otimismo, e a expectativa é que o ano feche com crescimento acima de 8%. Os dados foram divulgados na tarde desta terça-feira (30)  pela Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC) e Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Caxias do Sul. 

Se comparado com o mesmo mês de 2017, o índice foi positivo: 9,1%. No acumulado do ano e dos últimos 12 meses, os números também estão no azul, 7,1% e 7,7%,  respectivamente. A economista Maria Carolina Gullo lembra que os números registrados no segundo semestre do ano passado já estavam mais robustos.

—  A base de 2017 foi forte. Por isso, o crescimento real é positivo — destaca. 

Os dados negativos de setembro foram puxados pela indústria e comércio. Serviços fechou em alta de 3,4%. Os dois feriados e os cinco finais de semana do mês são apontados como as principais causas. Além disso, setembro não teve datas comemorativas para o comércio, por exemplo, que ainda acumula perdas de 1,6% no ano. 

O Índice de Desempenho Industrial (IDI) teve queda de 6,8%, puxado pelo número de horas trabalhadas (- 11,7%) e compras industriais (-14,1%). A massa salarial também teve recuo de - 4,7%. 

Foto:

Expectativa de melhora

Dois dias após as eleições que elegeram Jair Bolsonaro (PSL) como o novo presidente da República, o clima no encontro que reuniu dirigentes empresariais na CIC foi de otimismo. Os três grandes eventos do ano (greve dos caminhoneiros, Copa do Mundo e eleições) frearam o desenvolvimento, segundo os empresários. 

— As primeiras reações do mercado são boas. As sinalizações são positivas, e o consumo vai aumentar — aponta  o diretor de Economia, Finanças e Estatística da CIC, Joarez José Piccinini. 

Para o presidente da CDL, Ivonei Pioner, o ano de 2018 foi de conscientização.

— 2019 será de atitude — aposta. 


Comércio ainda não mudou a curva

O setor que ainda não reagiu em Caxias do Sul é o comércio. Fechou setembro com queda de 3,1% e acumula perdas de 1,6 no ano. O assessor de Economia e Estatística da CDL Mosár Leandro Ness explica que, entre as causas, está a redução da massa salarial. O número de trabalhadores com carteira assinada aumentou, mas os salários reduziram.

— Enquanto não recompormos os salários, o comércio vai andar de lado —justifica. 

Pioner complementa:

— O baixo poder aquisitivo, resultado da queda dos salários, impede que as pessoas façam novos investimentos — justifica.

A inadimplência permanece com índices altos.  No ano o estoque de dívidas cresceu 32,33% e em 12 meses,  o aumento é de 84,10% .

Foto:







 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros