Caxias não tem estrutura para realizar feiras de negócios - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Turismo05/10/2018 | 17h04Atualizada em 05/10/2018 | 17h12

Caxias não tem estrutura para realizar feiras de negócios

Falta de grandes espaços climatizados impede que a cidade entre na rota de grandes eventos, que ajudariam a impulsionar a economia local

Caxias não tem estrutura para realizar feiras de negócios Porthus Junior/Agencia RBS
Pavilhões da Festa da Uva tem estrutura precária e não atendem às necessidades dos organizadores de eventos Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Se depender de estrutura, dificilmente Caxias do Sul será palco para grandes feiras. Durante o lançamento do Festuris em Caxias, na noite de quinta-feira, no Intercity Hotel, os diretores do festival Eduardo Zorzanello e Marta Rossi deixaram claro que a possibilidade de realizar eventos em Caxias até existe, desde que haja um local apropriado para isso. É o que a cidade não tem.

O festival que vai acontecer em Gramado, de 8 a 11 de novembro, vai movimentar R$ 280 milhões em negócios e o impacto na economia local será de R$ 18 milhões.

Leia mais:  
Mercopar só será mantida em Caxias se melhorar a estrutura dos Pavilhões 

A Mercopar, única feira de negócios realizada este ano na cidade, ficou concentrada no Centro de Eventos dos pavilhões da Festa da Uva (10 mil m2) e reduziu o número de expositores pela metade. Isso porque, os demais pavilhões do complexo não têm estrutura para a montagem de estandes.

Se a feira fosse ampliada, certamente os espaços teriam sido alagados, como aconteceu na edição de 2016. Ou seja, está claro que os Pavilhões estão abandonados e que a Mercopar corre um sério risco de não acontecer em Caxias no ano que vem. Atualmente, a climatização é um dos requisitos básicos para realizar um evento, algo que não há nos Pavilhões.

No coquetel de lançamento do Festuris, as rodas de conversas sobre o assunto indicavam claramente que Caxias do Sul não tem vocação para o turismo, pois não há investimentos no setor.

Também não há um órgão ou entidade que assuma o comando desta importante matriz econômica. "Se com a crise que atingiu em cheio o setor industrial da cidade, ninguém tomou a frente para liderar um movimento neste sentido, dificilmente vai acontecer", comentavam os participantes.

Se Caxias do Sul foi o município indutor da atividade turística, como lembrou Marta Rossi em seu discurso, nos próximos anos  ele está praticamente fora da rota de grandes eventos de negócios. Uma pena! 

Frase

"Estamos tentando criar uma sinergia com Caxias do Sul, mas para trazer o Festuris, precisamos de um espaço com 22 mil metros quadrados (climatizados). Hoje não se faz feiras sem climatização", Eduardo Zorzanello.

Leia também:  
Festuris 2018 será lançado nesta quinta, em Caxias
Economia caxiense cresce 3% em agosto



 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros