Pedido de recuperação judicial da Keko, de Flores da Cunha, preocupa mercado automotivo - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Caixa-Forte13/09/2018 | 13h28Atualizada em 13/09/2018 | 13h58

Pedido de recuperação judicial da Keko, de Flores da Cunha, preocupa mercado automotivo

Altos investimentos na nova fábrica aliados a quatro anos de instabilidade econômica levaram a esse cenário de dificuldades e endividamento bancário

Pedido de recuperação judicial da Keko, de Flores da Cunha, preocupa mercado automotivo Porthus Junior/Agencia RBS
Marca atua no nicho de personalização automotiva para pickups e utilitários, filão de luxo que perdeu ritmo com a retração econômica Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

O setor automotivo da Serra foi sacudido com a informação de que a Keko Acessórios solicitou recuperação judicial. Foi um baque a um segmento fragilizado por uma crise econômica sem precedentes nos últimos anos.

Esse foi o motivo que levou a empresa, que há sete anos mudou-se de Caxias para Flores da Cunha, a não dar a volta em seus financiamentos bancários, o que forçou o pedido protocolado junto ao Fórum de Flores da Cunha, até como forma de viabilizar o negócio e preservar os 420 empregos diretos. A empresa alega que  os altos investimentos na nova fábrica aliados a quatro anos de instabilidade econômica levaram a esse cenário de dificuldades e endividamento financeiro.

Na nota à imprensa, alega que "buscou inúmeras alternativas de renegociações com os bancos a fim de sanar o seu passivo a curto prazo, dívidas essas que vinham inviabilizando a gestão adequada do caixa e o cumprimento das obrigações com os demais credores."

Leia mais
Dívida de R$ 75 milhões leva Keko, de Flores da Cunha, à recuperação judicial
Fabricante Keko, de Flores da Cunha, pede recuperação judicial
Keko, empresa que atuou 25 anos em Caxias, se muda para Flores da Cunha e emprega 450 pessoas
Empresa da Serra mostra força e anda na contramão do mercado automotivo 

Quem conheceu a Keko sabe. Começou sua história em uma garagem em Caxias,  há 32 anos, e transformou-se em case de modernidade, tecnologia e velocidade. Após 25 anos, despediu-se de Caxias motivada por incentivos para crescer.

Mas atua em um nicho de personalização automotiva para pickups e utilitários, filão de luxo que perdeu ritmo com a retração econômica, comprometendo os investimentos e o planejamento da companhia. 

Apesar do cenário adverso, a indústria garante que vem mantendo o faturamento estabilizado desde 2015, é fornecedora homologada de 12 montadoras e exporta para 42 países. A torcer que o pedido seja acatado pela Justiça e que a empresa consiga fazer frente aos desafios para voltar a acelerar na praça.

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros