Feira de vinhos em Bento Gonçalves foca no enoturismo - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Vinicultura27/09/2018 | 20h50Atualizada em 28/09/2018 | 10h03

Feira de vinhos em Bento Gonçalves foca no enoturismo

Wine South America ocupa uma lacuna deixada no Brasil pelo fim da Expovinis, em São Paulo

Feira de vinhos em Bento Gonçalves foca no enoturismo Felipe Nyland/Agencia RBS
Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Ocupando lugar central como feira de vinhos no país, a Wine South America ocupa uma lacuna deixada no Brasil pelo fim da Expovinis, em São Paulo. 

— Nós precisávamos ter uma feira profissional de vinhos no país — opina o diretor da Associação Brasileira de Enologia (ABE) Dirceu Scottá.

Para isso acontecer, não bastou apenas a vontade da Veronafiere, promotora da Vinitaly, uma das mais celebradas mostras mundiais do segmento, expandir sua presença no mercado de feiras do país. A união da cadeia vitivinícola brasileira em torno da realização da WSA foi fundamental, tanto que Ibravin assina como apoiador da primeira edição.

Além do apoio financeiro, o órgão foi responsável por dar as boas-vindas aos idealizadores da feira - o grupo Milanez & Milaneze, subsidiário da Veronafiere -, estreitando a aproximação com os viticultores brasileiros. 

— O setor entendeu a importância de promover nosso produto para o mercado, tanto que grandes e pequenos estão participando — opina o presidente do Ibravin, Oscar Ló.

Um dos argumentos que sustentam a WSA está no caráter de promover a região produtora, ao contrário de alavancar mercados compradores. O modelo é baseado na Vinitaly, realizada na região produtora de Verona, no Vêneto, longe de grandes centros financeiros como Milão ou Roma. 

— Além de visitantes e compradores conhecerem as vinícolas, é uma forma de associarmos a viticultura com o enoturismo, que é um outro importante mercado que cresce muito na região — observa Ló.


Experiências

Essa aproximação com as cantinas precisa ser entendida como uma oportunidade para ampliar contatos, observa Scottá. 

— É preciso aproveitar a presença de compradores, jornalistas, público para visitem as vinícolas e sintam o ambiente vitivinícola, caso contrário a feira poderia ser realizada em qualquer lugar — avalia. 

Para ele, as cantinas precisam ser uma extensão da feira.

— Algumas empresas já se deram conta disso e estão fazendo eventos e convenções nas vinícolas, e é esse exatamente o conceito. Existe uma estrutura da feira, mas tem todo o entorno que está aqui para trabalhar —comenta.

É uma via de mão dupla que começou com a retribuição das entidades do setor à ideia da realização da feira - e que continua a fomentar parcerias. Sábado, no encerramento da WSA, jornalistas e compradores terão entrada com desconto na Avaliação Nacional de Vinhos, promovida pela ABE, da mesma forma que os enólogos participantes da degustação dos vinhos mais representativos da safra 2018 terão entrada facilitada na feira.


Especialista britânico enaltece espumantes brasileiros


FEira Internacional do VInho Master of Wine britânico Alistair Cooper
Foto: Vagão Filmes / divulgação

O Master of Wine britânico Alistair Cooper disse estar impressionado e surpreso com a qualidade dos espumantes brasileiros. A degustação guiada pelo especialista referência no setor vitivinícola foi realizada na tarde de ontem na Wine South America 2018.

Carismático, Cooper degustou sete espumantes nacionais junto dos cerca de 40 participantes, descobrindo na taça as experiências que cada bebida despertou aos sentidos. 

— Antes de vir à Wine South America, havia provado apenas quatro tipos de espumantes brasileiros, portanto, minha intenção não é avaliar qual o melhor terroir ou produto, mas sim experimentar essas bebidas com os participantes e dividirmos nossas reações —explicou.

Ele destacou a qualidade dos espumantes produzidos no Brasil, especialmente na Serra gaúcha.

— É muito interessante ver os diferentes tipos de espumantes que podem ser produzidos nesta região, todos (os produtos degustados) apresentam qualidade, riqueza e equilíbrio entre açúcar e acidez _ a altitude e a variação de temperatura entre dia e noite são fatores chave para essa produção. Além disso, possuem boa relação custo e benefício. Portanto, penso que a chave é o Brasil se posicionar como produtor premium e focar no método tradicional, que transmite mais seriedade — comentou.


SERVIÇO

O quê: Wine South America 2018 _ Feira Internacional do Vinho.

Quando: de 26 a 29 de setembro, das 12h às 21h

Onde: Bento Gonçalves, RS

Local: Parque de Eventos de Bento Gonçalves (alameda Fenavinho, 481)

Informações e ingressos: www.winesa.com.br







 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros