Crise na Argentina impacta exportações de Caxias do Sul - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Economia05/09/2018 | 15h32Atualizada em 05/09/2018 | 15h32

Crise na Argentina impacta exportações de Caxias do Sul

No acumulado do ano, remessas de indústrias locais para o país vizinho encolheram 31% na comparação com o ano passado

Crise na Argentina impacta exportações de Caxias do Sul Porthus Junior/Agencia RBS
Chile agora é principal destino das exportações de Caxias Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

 A Argentina perdeu a posição de principal destino das exportações caxienses com a redução de 31% nas remessas no acumulado de janeiro a agosto, segundo as estatísticas do Ministério de Desenvolvimento Econômico. Com isso, o país vizinho que figurava na primeira posição do ranking como o principal comprador dos produtos fabricados na cidade até um ano, passou para a segunda posição em 2018. O Chile passou a ser o principal mercado com 15% da fatia total das exportações caxienses, seguido da Argentina com 12% e os Estados Unidos com 10%.

Somente neste ano, foram 30 milhões de dólares a menos de negócios com a Argentina na comparação com o ano passado. Nesta semana, o governo argentino anunciou um pacote para enfrentar a crise econômica, incluindo a adoção de novos impostos sobre as exportações, o que também impacta a economia da Serra que importa matéria-prima. Mas o peso do que é importado da Argentina para Caxias é bem menor, porque representa apenas 1,3% do que é comprado no exterior. As importações de produtos do país vizinho também reduziram 24% neste ano e com a alta do dólar e as novas barreiras impostas esse número pode aumentar ainda mais. 

De acordo com a economista Maria Carolina Rosa Gullo, da diretoria de Economia, Finanças e Estatística da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC) de Caxias do Sul, o cenário externo preocupa a economia da cidade e os impactos podem não ser sentidos agora, mas são temidos para o ano que vem.

— O que temos visto com os principais players da cidade é que em 2018 não sentiremos tanto o impacto porque os negócios já foram fechados. As empresas estão produzindo para entregar. A preocupação é para 2019. Tudo isso que está acontecendo agora, com um país vizinho apresentando problemas e o mercado entende a economia em blocos, deve impactar no ano que vem — aponta a economista. 

Sinal de alerta na África do Sul

Durante a recessão econômica brasileira, as empresas de Caxias do Sul se voltaram para abertura de mercados no exterior e o continente africano se mostrou ainda mais atrativo. A Nigéria é o principal destino das exportações caxienses nesta região do globo, com 9,9% do total embarcado na cidade para fora do país. A África do Sul é o segundo país do continente africano para onde Caxias mais exporta, com 2,5% de participação.

Nesta semana, este país entrou em recessão pela primeira vez desde 2009. Após o Produto Interno Bruto (PIB) retrair 2,6% no primeiro trimestre, a economia do país contraiu mais 0,7% no segundo trimestre. É mais um país emergente com dados que preocupam o mercado.

Leia também:
Loja de Caxias passa a integrar rede gaúcha de materiais de construção
Uvas exigem diferentes horas de frio na Serra

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros