Maioria dos caxienses pretende pagar em dinheiro as compras do Dia dos Pais - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Pesquisa03/08/2018 | 16h00Atualizada em 03/08/2018 | 16h54

Maioria dos caxienses pretende pagar em dinheiro as compras do Dia dos Pais

Conforme CDL, situação reflete a inadimplência e falta de acesso ao crédito

Maioria dos caxienses pretende pagar em dinheiro as compras do Dia dos Pais Roni Rigon/Agencia RBS
Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

 A primeira pesquisa local de intenção de compra no comércio no Dia dos Pais foi apresentada nesta sexta-feira (3) pela Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Caxias do Sul. Os dados mostram que 70,42% dos entrevistados pretendem pagar em dinheiro. Para a entidade, essa expectativa de muitas compras à vista tem relação com a inadimplência na cidade e a consequente falta de acesso ao crédito. Cerca de 79 mil pessoas estão inadimplentes com o comércio em Caxias.

O presidente da CDL, Ivonei Pioner, observa que o grande número de pagamentos em dinheiro também pode levar a uma mudança cultural dos lojistas diante dos fornecedores.

— Nós viemos ao longo do tempo vivendo um crescimento através do crédito. E as pessoas estão voltando a fazer compras a partir do poder de compra. Isso vai impactar na gestão das empresas, porque é uma oportunidade de elas alterarem a forma com que compram de seus fornecedores. Porque, se o dinheiro entra assim no caixa, deve ser utilizado assim para fazer o pagamento, para que a empresa tenha saúde — recomenda.

A pesquisa foi realizada por uma empresa de Caxias do Sul. Até o ano passado, a CDL se baseava em dados de pesquisas em nível estadual realizadas pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL-RS) e pela Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado do Rio Grande do Sul (Fecomércio-RS).

Os dados levantados mostram que o gasto médio dos consumidores será de R$ 159,27. Como até o ano passado não havia pesquisa local, não há como fazer uma comparação. Mas a pesquisa também aponta que 80% dos 424 entrevistados entre 18 e 24 de julho pretende gastar o mesmo ou mais do que em 2017. No Estado, o ticket médio previsto é de cerca de R$ 150.

Metade dos entrevistados pretende comprar itens de vestuário e moda (52,08%) - o que, conforme Pioner, tem relação com a sequência de dias de frio neste inverno - seguidos de perfumes e cosméticos (15,02%), calçados (13,1%), artigos de uso pessoal como ferramentas e utensílios para churrasco (5,11%), por exemplo, jóias, óculos e relógios (4,47%) e outros (10,22%). Perguntados se dariam vale-presente, 83,46% dos entrevistados disseram que sim.

Com base nos levantamentos da pesquisa, Pioner estima que haverá aumento de 5% nas vendas em relação ao dia dos pais do ano passado. O desempenho oficial deverá ser divulgado 10 dias depois da data, que cai no dia 12.

Outro apontamento é que 40% das pessoas ainda não decidiram o que vão comprar, e 89% responderam que ainda não foram impactados por nenhuma campanha publicitária. Por isso, a CDL reforça que é importante investir em marketing com embasamento.

A pesquisa ainda apontou que 46,48% consideram a qualidade do atendimento como o fator mais importante para decidir onde vão comprar, seguido do preço e descontos (25,49%). Mais da metade dos entrevistados disse que faria as compras no sábado (51,32%), e 17% deverão deixar para comprar na véspera.

Leia também:
Por que a convenção coletiva dos metalúrgicos vai à Justiça
Madero abre ao público nesta sexta-feira em Caxias do Sul

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros