Caxias do Sul não tem mais produtores de queijo serrano em atividade - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Produtos coloniais15/08/2018 | 15h35Atualizada em 15/08/2018 | 16h42

Caxias do Sul não tem mais produtores de queijo serrano em atividade

Após mais de 90 fiscalizações em agroindústrias em 2018, sobraram 24 estabelecimentos que produzem alimentos de origem animal e nenhum que faz esse tipo de queijo

Caxias do Sul não tem mais produtores de queijo serrano em atividade Divulgação/Emater
Para ser considerado queijo serrano, produto precisa ser da região dos Campos de Cima da Serra Foto: Divulgação / Emater

A Secretaria de Agricultura de Caxias do Sul divulgou um balanço de 91 fiscalizações em agroindústrias caxienses em 2018 que resultaram em 670 quilos de produto de origem animal sem procedência ou impróprios para consumo retirados de circulação. Em 2017, foram 945 quilos em todo o ano. A inspeção de produtos também está resultando na extinção dos negócios. 

Leia mais:
De 18 queijarias, 17 fecharam em Caxias
"Entro em pânico sempre que as fiscais aparecem", diz dona de queijaria em Caxias
Secretária diz que ações vão abrir novos mercados para as agroindústrias de Caxias do Sul

Atualmente, Caxias do Sul tem 24 agroindústrias cadastradas que produzem alimentos de origem animal, segundo dados do município. Só agroindústrias de queijo artesanal serrano, a cidade chegou a ter 22 produtores. Em 2016, esse número reduziu para 6 e, agora, não há mais nenhuma em atividade.  

Conforme a Secretaria da Agricultura, hoje estão cadastradas no município quatro queijarias: duas de queijo artesanal serrano e duas de queijo colonial. Mas as produtoras de queijo serrano estão temporariamente sem atividades. Em 2018, já foram analisadas três amostras de queijo colonial e uma queijaria apresentou produto contaminado.

A prefeitura lista entre os motivos que os produtores alegaram para a interrupção da produção problemas de sucessão na propriedade rural, mudança de local e doença na família. Mas admite que as análises, que detectaram produtos fora do padrão e impróprios para consumo, são também a causa da redução de agroindústrias na cidade.

Entre as irregularidades encontradas, aponta contaminações de coliformes fecais que podem provocar doenças e a falta de espaço físico de armazenagem necessário para curar os produtos por no mínimo 60 dias no caso dos queijos.

— O objetivo da fiscalização é a saúde pública e garantir que o produto inspecionado tenha qualidade — explica Marília de Lima Campos, diretora do Controle de Produtos Agropecuários de Origem Animal da Secretaria da Agricultura.

Valmir Antônio Susin, presidente do Sindicato Rural de Caxias do Sul e região, lamenta a situação, mas diz que entidades que apoiam as agroindústrias estão se movimentando para tentar buscar uma saída.

— Não sobrou nada. Tudo que tínhamos terminou com a fiscalização, mas vamos tentar construir novamente um trabalho consistente para dar segurança jurídica para a manutenção dos trabalhos, porque o potencial de Caxias do Sul é muito grande — defende Susin.

Queijo serrano

Para ser considerado queijo serrano, a produção precisa ser feita na área dos Campos de Cima da Serra e de Santa Catarina. São 16 municípios nesta região do Rio Grande do Sul. Este queijo é feito a partir do leite cru de raças de corte ou mistas, das quais se produz tanto carne quanto leite. O gado se alimenta apenas com pastagem desses campos. 

Leia também:
Concurso para Guarda Civil de Bento Gonçalves tem 72 candidatos por vaga
Voges paga aluguéis atrasados da Maesa, em Caxias, em conta judicial

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros