Caixa-Forte: quando a tecnologia torna-se inimiga do trabalho  - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Novos tempos20/08/2018 | 08h00Atualizada em 20/08/2018 | 08h51

Caixa-Forte: quando a tecnologia torna-se inimiga do trabalho 

Empresários relatam desatenção das equipes pelo uso desenfreado de celulares, computadores, aplicativos, redes sociais e internet 

Caixa-Forte: quando a tecnologia torna-se inimiga do trabalho  Jefferson Botega/Agencia RBS
A tecnologia traz libertação, mas, se não dosada, pode aprisionar Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS

Cada atividade econômica apresenta seus desafios e complexidades. Lojistas e empresários do ramo de serviços, especialmente, têm relatado à colunista um problema difícil de ser contido. Trata-se da desatenção das equipes pelo uso desenfreado de celulares, computadores, aplicativos, redes sociais e internet durante o expediente, tirando a atenção do que mais interessa (no caso do varejo, por exemplo): atender o consumidor.

Essa postura provoca dispersão no trabalho e, não raro, faz com que clientes saíam das lojas sem serem atendidos com zelo, porque a equipe está focada nos aparelhinhos e não na movimentação que ocorre em meio a prateleiras e cabideiros.

Ao empresário, a situação por vezes mostra-se delicada: proibir o uso da internet nos tempos em que ela também é instrumento de informação, formação e de pesquisa ao próprio exercício do trabalho parece uma medida drástica e até de censura. Deixar livre, ressalvando a necessidade óbvia de cautela para que a vida virtual não se sobreponha à real, nem sempre é um conselho seguido pelos profissionais. O desgaste nas relações de trabalho torna-se inevitável.  

Proprietária de uma agência de turismo relatou que foi obrigada a afastar uma funcionária que passava o dia postando flagrantes pessoais em uma rede social, em vez de prestar um serviço de excelência, função para qual era paga.

Os novos tempos trazem facilidades. O próprio atendente usa a internet para pesquisar informações de produtos. Mas também gera novos desafios (e impasses). A tecnologia traz libertação, mas, se não dosada, pode aprisionar.  Bom-senso e profissionalismo devem prevalecer.

Leia também
Aurora, de Bento, comemora 1ª exportação de suco aos EUA
Preço dos combustíveis reduz quase 10 centavos em Caxias
Marcopolo exibe tecnologia para ônibus elétricos
Ainda estou com dor de estômago", diz moradora sobre fechamento de fábrica em São Chico

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros