Sindicatos de Caxias amargam queda nas arrecadações - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Reforma Trabalhista16/05/2018 | 08h00Atualizada em 16/05/2018 | 08h16

Sindicatos de Caxias amargam queda nas arrecadações

Entidades tentam se reestruturar para manter os serviços. Queda nas receitas chega a 70%

Sindicatos de Caxias amargam queda nas arrecadações Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

O fim da contribuição sindical obrigatória, extinta com a Reforma Trabalhista, descortinou efeitos dramáticos para as finanças de centrais e sindicatos que tentam se adaptar aos novos tempos de vacas mais magras. Em vigor desde novembro do ano passado, o corte derrubou a receita das entidades que representam as empresas e os trabalhadores. Elas foram obrigadas a reduzir o quadro de funcionários, cortar viagens e eventos. Em alguns casos, a queda na arrecadação passa de 70%.

O derretimento foi geral. Sindicatos dos trabalhadores e patronais foram atingidos pelas novas regras. Com menos dinheiro em caixa, os sindicatos fazem campanha para convencer as empresas e funcionários da importância do pagamento da contribuição. Alguns deles recorreram à Justiça para manter a cobrança compulsória.  

— A situação está caótica. Tivemos queda de 70% na arrecadação —lamenta o presidente do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Químicas, Farmacêuticas e de Material Plástico, Adão Rodrigues. 

— Se não conseguirmos reverter a situação, vamos fechar as portas —declara.

Assim como ele, outros dirigentes também estão perdendo o sono. Sílvio Frasson, presidente do Sindicato dos Comerciários, viu a receita despencar de R$ 700 mil para 70 mil, este ano. Enxugou a equipe e lançou uma campanha para aumentar o número de associados que contribuem mensalmente.

— Não está sendo fácil. Tivemos que começar a cobrar pelos serviços assistenciais e acabamos com convênios — destaca. 

Desafio diário

A Reforma Trabalhista também tornou optativa a contribuição das empresas aos sindicatos patronais. Antes mesmo de começar a sair da maior crise que se abateu sobre a indústria caxiense, que fechou 21 mil postos de trabalho, o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul (Simecs) precisou se adequar à nova realidade. A entidade que representa os patrões sentiu o baque das demissões e amargou a redução de 50% na arrecadação de recursos. Precisou desligar pessoas importantes da equipe e reduzir os gastos em 40%. 

— Está sendo um desafio manter a qualidade dos serviços — avalia o presidente do sindicato, Reomar Slaviero.

Do outro lado da corda está o Sindicato dos Metalúrgicos, que representa a classe trabalhadora. O presidente Claudecir Monsani não divulga valores da receita, nem dos gastos, mas admite que as demissões e o fim da contribuição reduziram a entrada de dinheiro no caixa pela metade.

— A dificuldade existe. Hoje não se faz nada sem o suporte financeiro —justifica.

Monsani acredita que a situação vai se reverter e que a contribuição voltará a ser obrigatória. Em assembleia, os metalúrgicos aprovaram a continuidade da cobrança do imposto. O processo tramita na Justiça.

—Sem o sindicato, o trabalhador vai ficar refém do patrão.

Confira o que dizem e como os sindicatos estão se reestruturando

Foto:

Leia também:  
O que esperar da economia em 2018
Presidente da Câmara de Vereadores de Bento diz que denúncia prejudica andamento do Plano Diretor
Integrantes do Conselho Municipal da Saúde de Caxias do Sul são eleitos
Movimento pela candidatura própria do PSB lança Hermes Zaneti ao Piratini na quinta-feira

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros