Preço do tomate e da batata disparam na Ceasa Serra - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Alimentos31/05/2018 | 18h36Atualizada em 01/06/2018 | 08h06

Preço do tomate e da batata disparam na Ceasa Serra

A Central de Abastecimento ainda opera de forma parcial. Novos caminhões carregados devem chegar hoje

Preço do tomate e da batata disparam na Ceasa Serra Ivanete Marzzaro / Agência RBS/Agência RBS
Celio Veronese diz que, em 40 anos como atacadista na Ceasa, esta é a primeira vez que amarga tanto prejuízos Foto: Ivanete Marzzaro / Agência RBS / Agência RBS

O clima ainda era de angústia na tarde desta quinta-feira na Ceasa Serra. Nos últimos quatro dias, os boxes que vendem frutas e verduras ficaram praticamente vazios. Das cerca de 70 toneladas/dia de produtos caiu para 10 mil esta semana. Mas, aos poucos, caminhões estão chegando e as caixas coloridas começam a tomar conta do cenário. Nesta quinta-feira chegaram por lá 22 toneladas de batata e outras 22 de tomate, dois produtos que estão em falta nas gôndolas dos mercados nos últimos sete dias. 

Leia mais
Preço dos alimentos chegou a duplicar de uma semana para outra na Ceasa Serra

O preço também chegou mais salgado. Uma saca de batata de 50 quilos, por exemplo, que antes da greve dos caminhoneiros era vendida a R$ 70, na tarde de hoje saltou para 140. O tomate subiu R$ 70 a R$ 120 a caixa de 24 quilos. O reflexo do aumento já chegou ao bolso do consumidor. Nas gôndolas, o pouco tomate disponível está sendo vendido a cerca de  R$ 10 o quilo.

Mesmo assim é difícil encontrar. 

— Só recebemos a mercadoria dos caminhões que estavam retidos nos protestos — lamenta Valdir Hartman, proprietário de um box da Ceasa.

O comerciante Célio Veronese diz que, dos 40 anos que atua no local, foi a primeira vez que ficou praticamente desabastecido. Ele comercializa batata, tomate e cebola - produtos que acabaram nos primeiro dias de greve. 

— Perdi três cargas e mais de R$ 200 mil — lamenta.

O gerente técnico operacional da Ceasa, Marcelo Lopes Nunes, garante que na próxima semana o abastecimento vai estar normalizado. Os prejuízos ainda não foram calculados. Informa que hoje chegaram 22 toneladas de tomate e não sobrou nada. Os mais prejudicados foram os 43 atacadistas que atuam na Ceasa e dependem de produtos que chegam de outros estados. Os 240 agricultores que comercializam no pavilhão dos produtores (pedras)  quase não sentiram o impacto, pois não precisaram percorrer rodovias, informa Nunes.

Marcelo Girelli ainda espera pelos caminhões que chegam de São Paulo e Nordeste. Prejuízos passam de R$ 100 mil ao diaFoto: Ivanete Marzzaro, Agência RBSFoto:

Prejuízos

No box de Daniel Girelli, as vendas caíram 80% nos últimos 10 dias. Ele ainda está calculando as perdas. Os números também estão sendo somados pelo atacadista Clóvis Demori. Seu espaço ainda está praticamente vazio. O tomate, seu carro-chefe, só deve chegar na manhã desta sexta-feira. Ele vende cerca de 300 caixas por dia. 

— Ainda tenho caminhões na estrada e não sei se vão chegar a tempo de conseguir vender os tomates. Sobre a greve, ele lamenta que tenha acabado sem que os impostos tenham sido reduzidos.

— O povo não se ajuda — diz.

No espaço de Marcelo Girelli, somente 30% das mercadorias estavam disponíveis. A maior parte dos produtos está vindo de São Paulo e do Nordeste. Seu carro-chefe é o melão. Ele vende cerca de sete caminhões da fruta por semana e eles ainda não chegaram a Caxias.

O mamão virou raridade nos supermercados e também na Ceasa. Ontem estava disponível em apenas duas bancas. Uma delas no box de Bruno Kransburg. Ele perdeu oito cargas da fruta e o prejuízo passa de 500 mil. 

— Nunca passei por isso. Pior, a greve não valeu a pena. Foi conquistado muito pouco — diz, desolado. 

No atacado Zimmermann, a quantidade de mamão que chegou foi insuficiente para atender à demanda. e a próxima carga só deve chegar no sábado.

 Leia também:
Apesar da retomada do abastecimento em Caxias, Visate deve normalizar operações apenas na segunda

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros