Mobilização em Forqueta, em Caxias, segue sem previsão para acabar - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Greve dos caminhoneiros28/05/2018 | 18h21Atualizada em 28/05/2018 | 18h21

Mobilização em Forqueta, em Caxias, segue sem previsão para acabar

Além de caminhoneiros, movimento conta com apoio de agricultores, estudantes e pequenos empresários 

Mobilização em Forqueta, em Caxias, segue sem previsão para acabar Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Edmilson Barbosa, Irineu Scottá (em pé), Leandro Maurer, Rodrigo Invernizzi e Cesar Cimadan (sentados) prometem seguir mobilizados Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Em trecho da RS-122 na altura de Forqueta, em Caxias do Sul, um dos principais pontos da manifestação na Serra, a mobilização segue intensa. As medidas anunciadas pelo governo federal são consideradas insuficientes pelos manifestantes, que prometem permanecer no local por tempo indeterminado. Além de caminhoneiros, agricultores, estudantes e pequenos empresários, entre outros, estavam às margens da rodovia nesta segunda-feira.  

Leia mais:
Caminhão tanque será escoltado até posto em Caxias do Sul
"Isso nunca aconteceu", diz presidente do Sindigêneros sobre mercados com prateleiras vazias
Aulas da Educação Infantil são suspensas em Caxias do Sul

Um grupo de cinco caminhoneiros, todos mobilizados desde a quarta-feira passada, defende que a diminuição de R$ 0,46 no preço do diesel, anunciada por Michel Temer, é insuficiente. Eles enfatizam que "não existe acordo" com a categoria, como mencionou o governo federal.  

- E, ainda por cima, anunciaram só por dois meses a redução - critica o caminhoneiro Rodrigo Invernizzi. 

Para esses caminhoneiros, a redução deveria ser de R$ 1,00 na bomba. Neste sentido, eles se mostram dispostos a continuar a paralisação por mais tempo, até conseguir melhorar a proposta elaborada pelo governo.  

- Agora não dá para parar- afirma Edmilson Barbosa.  

Já o caminhoneiro Irineu Scottá salienta que parte da população ainda não compreendeu a importância da mobilização.  

- A população está mais preocupada em encher o tanque de combustível em vez de vir protestar para mudar o país - diz Scottá. 

Com uma bandeira do Brasil em mãos, o estudante de Direito Antonio Junior menciona que, entre outras pautas, o movimento defende a isenção do PIS e da Cofins nos combustíveis e maior transparência nas negociações entre governo e entidades de classe. Para ele, o governo "está mentindo".

Neste momento, a lista de pautas é diversa e muitas delas possuem teor político. A saída de Temer da presidência é um dos pedidos mais frequentes na mobilização em Forqueta. Além disso, diversas faixas solicitando intervenção militar estão espalhadas no local. 

- A pauta agora é fora Temer - sintetiza uma das lideranças do protesto. 

Os manifestantes também se mostram descontentes com a cobertura dos meios de comunicação sobre a greve. Eles garantem que há cargas que estão sendo liberadas para passar sem problemas, como alimentos para animais e medicamentos. Para muitas pessoas ouvidas pelo Pioneiro, essas questões não estão sendo mencionadas pela imprensa, que estaria "manipulando a cobertura sobre a paralisação".

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros