Em Forqueta, cerca de 300 caminhões estão parados - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Greve dos caminhoneiros24/05/2018 | 19h56Atualizada em 24/05/2018 | 19h56

Em Forqueta, cerca de 300 caminhões estão parados

Manifestantes liberam carros de passeio, veículos oficiais, ambulâncias e carros-fortes

Em Forqueta, cerca de 300 caminhões estão parados Lucas Amorelli/Agencia RBS
Caminhoneiros ficam 24 horas por dia no piquete montado em Forqueta Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Em um dos pontos com maior concentração de caminhoneiros na Serra, a ERS-122, em Forqueta, apenas caminhões de carga são parados. Os manifestantes permitem a passagem de carros de passeio, veículos oficiais, ambulâncias e carros-fortes. Veículos menores com carga ficam retidos e são liberados após as 19h. Ônibus são revistados e liberados se não houver carga. 

Leia mais
Manifestantes que impedirem passagem de carros em rodovias federais serão multados em R$ 1 mil por hora

Conforme um dos motoristas à frente da mobilização, que se identificou apenas como Davi, são cerca de 300 caminhões parados na rodovia e nos estacionamentos dos postos de combustíveis próximos. 

— Só vamos voltar a hora que reduzir o diesel — diz.

Além da redução do combustível, a categoria cobra a diminuição dos valores dos pedágios e segurança para aplicação da Lei do Descanso, que determina que os motoristas têm direito a repouso de 11 horas por dia, além do descanso de 30 minutos a cada quatro horas ininterruptas de direção.

Olivar Nunes, 33 anos, está parado na manifestação desde terça-feira. Ele trouxe de Rodeio Bonito, a 394 quilômetros de Caxias, um transformador e levaria de volta ferragem.

— Tudo é difícil: alimentação, dormir. Com o preço do diesel, não dá mais para rodar — reclama o motorista que atua como empregado. 

Os caminhoneiros parados em Forqueta contam com o apoio da associação de moradores do bairro. Comida e agasalhos são recolhidos e distribuídos aos manifestantes. Além disso, uma casa foi cedida pela paróquia de Forqueta para abrigar caminhoneiros que não têm onde dormir. A capacidade é de 20 pessoas. 

Além de Forqueta, há pelo menos 16 outros pontos com paralisação na Serra e em São Sebastião do Caí. 

CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 24/05/2018 Protesto dos caminhoneiros contra o aumento do diesel (Lucas Amorelli/Agência RBS)
Veículos de passeio têm passagem liberadaFoto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Pontos com protestos até o final da tarde desta quinta-feira: 

:: Km 143 da BR-116, em Ana Rech, em frente ao Posto Capoani.
:: Km 171 da BR-116, em Caxias do Sul.
:: Km 16 da ERS-122, em São Sebastião do Caí, próximo à empresa Radar.
:: Km 270, da ERS-324, em Paraí
:: Km 248, da ERS-324, em Casca
:: Km 96 da ERS-122, em Flores da Cunha, próximo ao acesso a Nova Pádua.
:: Km 65, da ERS-122, em Forqueta, Caxias.
:: Km 116 da RSC-453, em Farroupilha, próximo ao posto Silvestrin.
:: Km 152 da RSC-453, em São Braz.
:: Km 1 da VRS-813, em Farroupilha.
:: Km 14 da VRS-813, em Farroupilha.
:: Km 127 da ERS-122, em Antônio Prado.
:: Km 278 da ERS-324, em Nova Bassano, perto da empresa Medabil.
:: Km 113 na saída de São Marcos pra Vacaria.
:: Km 125, na localidade de Pedras Brancas, em São Marcos.
:: Km 34 da BR-116, em Vacaria, na saída para Lages.
:: Km 40 da BR-116, em Vacaria, na saída para Campestre da Serra.

Leia também
Procon investiga aumento abusivo no preço de combustíveis em Caxias
Ônibus da Visate operam com horários reduzidos, em Caxias
Falta gás de cozinha em revendas de Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros