Atacadistas não recebem produtos desde segunda-feira na Ceasa Serra - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Protestos de caminhoneiros23/05/2018 | 17h24Atualizada em 23/05/2018 | 17h36

Atacadistas não recebem produtos desde segunda-feira na Ceasa Serra

Caminhões que viriam com hortifrutigranjeiros das regiões sudeste e nordeste pararam em bloqueios ou nem saíram

Atacadistas não recebem produtos desde segunda-feira na Ceasa Serra Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Expositores que costumam estar cheios de produtos estavam vazios na tarde desta quarta-feira Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Uma breve passagem pela Ceasa Serra e já foi possível perceber espaços vazios nos gradis e nos boxes que costumam estar cheios de produtos. É que com o bloqueios de caminhoneiros nas rodovias do país as cargas que viriam das regiões Sudeste e Nordeste  ficaram paradas no caminho ou nem chegaram a sair dos pontos de origem.

– No transporte, houve um impacto. São os que mais estão sofrendo, mais do que os produtores, porque estes ainda conseguem chegar aqui. Mas os boxistas (atacadistas, que compram produtos de fornecedores de outros estados e trazem, por conta própria ou por meio de frete, para vender na região), desde segunda-feira, não recebem cargas – comenta o gerente da Ceasa Serra, Marcelo Nunes.

Leia mais:
Postos de Caxias podem ficar sem combustíveis a partir desta terça
Greve dos caminhoneiros afeta distribuição das duas maiores cooperativas de laticínios da Serra
Caminhoneiros protestam em pelo menos oito pontos na Serra

O efeito direto é na distribuição de hortifrutigranjeiros para mercados e fruteiras de Caxias. Além disso, os 23 compradores cadastrados que vêm à Ceasa buscar mercadorias para levar para os seus municípios talvez não consigam chegar à cidade em função dos bloqueios e, se chegarem, não encontrarão produtos para transportar, pelo menos, não na quantidade pretendida.

– Nosso caminhão está parado em um posto em São Paulo. Hoje (ontem) tem (mercadorias). Amanhã (hoje) não sabemos. Se os caminhões não chegarem vai começar a faltar – disse o atacadista Marcelo Girelli que atende a mais de cem compradores na região.

Mas, caminhando pelo local, é possível encontrar atacadistas com estoque de produtos, até em função do frio dos últimos dias que fez com que as vendas diminuíssem. Enquanto isso, existem produtores locais que têm conseguido driblar os bloqueios e chegar à Ceasa, trafegando por estradas de chão vicinais.

Leia também:
Frio melhora expectativa de ocupação em hotéis da Serra
Entenda como funciona o ensino a distância e dicas de critérios para escolha de curso


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros