Indústria puxa desempenho da economia caxiense - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Conjuntura04/04/2018 | 17h22Atualizada em 04/04/2018 | 17h22

Indústria puxa desempenho da economia caxiense

Comércio e serviços fecharam fevereiro no vermelho, mas no acumulado do ano, índices seguem no azul

Indústria puxa desempenho da economia caxiense Felipe Nyland/Agencia RBS
Produção industrial segue em alta e pretende crescer até 20% em 2018 Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Com menos dias úteis, a economia caxiense colocou o pé no freio em fevereiro e caiu 4,1% em relação a janeiro. No entanto, não o suficiente para que, no acumulado dos últimos 12 meses, os índices voltassem aos patamares negativos. Novamente, os números foram puxados para cima pela indústria, que cresceu pelo segundo mês consecutivo. A alta em fevereiro foi de 1,3%.  Comércio e serviços fecharam no vermelho: -4,3% e  -13,8. 

Leia mais:
Inadimplência é a mais alta da história de Caxias do Sul
Comércio de Caxias acumula perdas, mas lojistas apostam na recuperação 

Os dados foram divulgados na tarde de hoje pela Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC) e Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Caxias do Sul. 

Mesmo com o recuo, o cenário continua otimista. O diretor do Departamento de Economia, Finanças e Estatística da CIC Carlos Zignani garante que a economia caxiense tem motivos de sobra para acreditar que vai continuar crescendo em 2018. A queda nas taxas de juros, a inflação baixa, a alta do Produto Interno Bruto (PIB) e o ano eleitoral estão entre eles.

— Tem bons pedidos encaminhados. Tanto para o mercado interno, quanto para o externo. O crescimento deve ficar entre 15% e 20% — calcula.

Para a economista Maria Carolina Gullo, os números confirmam a tendência de um crescimento mais sustentado e de recuperação das perdas dos últimos anos. 


Massa salarial em queda

A queda do poder aquisitivo é sentida principalmente pelo comércio. Em relação a janeiro deste ano, o indicativo fechou em alta de 4,3%. Mas em relação ao mesmo mês de 2017, a queda chegou a 18,5% e no acumulado do ano - 17,4%. Isso explica parte do baixo desempenho das vendas nos últimos dois meses. 

— As pessoas querem comprar, mas têm menos dinheiro — destaca o professor e assessor  da CDL Mosár Leandro Ness. 

Além disso, o setor também é impactado pelo crescimento do comércio informal. O presidente da CDL, Ivonei Pioner, lembra que muitas pessoas  perderam o emprego e acabaram abrindo seu pequeno negócio em casa. É um percentual que divide a mesma pizza, mas não contribui com o pagamento de impostos. 

Datas importantes, no entanto, ainda estão por vir e devem incrementar os negócios. Para o diretor de Pesquisa, Informação e TI da CDL, Ricardo Comandulli, as vendas de Páscoa já vão refletir nos números de março. 

— Maio e junho tem o Dias da Mães e a Copa do Mundo. São eventos que estimulam as comprar — aponta.

Leia também:  
Gasolina chega à barreira dos R$ 5 em Caxias do Sul


 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros