Gerente da Havan diz ter saído otimista de reunião com sindicato de Caxias - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Avanço06/04/2018 | 17h57Atualizada em 06/04/2018 | 17h58

Gerente da Havan diz ter saído otimista de reunião com sindicato de Caxias

Responsável pelos Recursos Humanos destaca que empresa ainda vai aguardar definições para iniciar contratações

Gerente da Havan diz ter saído otimista de reunião com sindicato de Caxias Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Demolição de imóvel em terreno onde loja será construída já está em andamento Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

 Embora o Sindicato dos Empregados no Comércio (Sindicomerciários) de Caxias do Sul não tenha mudado a posição em relação a negociar com a Havan só depois dela iniciar contratações e operações na cidade, uma reunião realizada com representantes da rede catarinense de varejo e o sindicato dos trabalhadores apresentou avanços, segundo ambas as partes.

Aurélio Paduano, gerente geral de Recursos Humanos (RH) da Havan, disse que saiu otimista do encontro realizado nesta quinta-feira (6).

— Eles estão às vésperas de uma negociação da categoria em julho e devem conversar conosco mais adiante — apontou.

Leia mais
Sindicato de Caxias do Sul não aceita negociar com Havan antes de contratações
Havan reúne-se com sindicatos de comerciários em Passo Fundo e Caxias do Sul

Mas para as contratações, no entanto, o gerente afirmou que a Havan vai esperar a discussão avançar em relação a abrir em feriados. O responsável pelo RH da rede projeta no mínimo 150 novos empregos em Caxias do Sul.

O presidente do sindicato dos trabalhadores, Sílvio Frasson, qualificou como uma "boa conversa" o encontro com a Havan e se mostrou disposto a conversar novamente no decorrer das tratativas para a convenção.

— Não fechamos nenhuma porta. Temos que procurar ver como resolver para que fique bom para as duas partes. Como eles não devem conseguir abrir até julho, até lá vamos poder negociar — afirmou Frasson.

A Havan condiciona a operação em Caxias aos feriados trabalhados. Os únicos em que as lojas não abrem são Natal, Ano-Novo e 1º de Maio. A convenção em vigor na cidade não permite também a abertura na Páscoa, Corpus Christi, Revolução Farroupilha e Finados.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros