Gasolina chega à barreira dos R$ 5 em Caxias do Sul - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Combustíveis03/04/2018 | 18h43Atualizada em 03/04/2018 | 18h56

Gasolina chega à barreira dos R$ 5 em Caxias do Sul

Em alguns postos, o preço do litro passa dos R$ 4,80. Na maioria, preço médio é de R$ 4,50 

Pioneiro
Pioneiro


 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 03/04/2018. Gasolina Comum beira os 5 reais (chega a 4,949 a prazo no posto Central), em Caxias. (Diogo Sallaberry/Agência RBS)
Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

As enormes placas anunciando os preços promocionais da gasolina comum em frente aos postos de Caxias do Sul sumiram. Na tarde desta terça-feira, para descobrir o valor cobrado pelo litro era necessário se aproximar das tabelas (nem tão visíveis) ou  perguntar ao frentista do posto. Em um mês a diferença passou de R$ 1 em alguns estabelecimentos - de R$ 3,759 para 4,949. Na média, os valores subiram R$ 0,80.

Leia mais:  
Postos de Caxias migram para bandeira branca. Guerra dos preços deve acabar em horas

Órgãos de fiscalização passaram a investigar a queda de preços como dumping, prática em que os valores de venda são menores do que o preço de custo para lesar a concorrência. O Procon Caxias esperou os preços subirem para notificar as distribuidoras a fim de não prejudicar os consumidores. O próximo passo, segundo o coordenador do órgão, Luiz Fernando Del Rio Horn, será encaminhar o processo ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

— Agora, o processo administrativo que investiga a possível prática de dumping está no prazo de defesa das distribuidoras. Somente depois é que será enviado ao Cade, que vai dizer se houve ou não dumping. Caso afirmativo, o Procon vai aplicar sanção — explica Horn.

A investigação de dumping foi motivada pela denúncia de um posto de combustível. Sobre o aumento médio de R$ 0,80 no preço do litro da gasolina após a queda expressiva, o coordenador do Procon destacou que cabe ao órgão investigar as irregularidades, qualidade dos produtos e comunicação visual inadequada. Segundo Horn, mais de uma centena de postos foram fiscalizados desde 2017, mas ele reforça que a tributação e fixação de preços pela Petrobras extrapola a competência fiscalizatória do Procon e que o livre comércio limita a atuação. 

Horn deve se reunir nos próximos dias com o novo presidente Sindipetro da Serra Gaúcha para sugerir uma visita a Brasília ou outra mobilização para discutir a política de preços dos combustíveis. O novo presidente da entidade que representa os postos de combustíveis da cidade será Eduardo Martins, do posto Petrotech, que fica na Avenida Rubem Bento Alves, no bairro São José. A posse será na próxima quarta-feira e o mandato é de quatro anos.

MPF questiona ANP sobre alta nos preços

O Ministério Público Federal também está investigando os preços de combustíveis praticados em Caxias do Sul. Nesta semana, o procurador Fabiano de Moraes despachou uma notificação para a Agência Nacional do Petróleo (ANP) questionando a alta dos preços e se houve alterações nas bandeiras de postos da cidade. Esse movimento ocorre juntamente com a investigação da denúncia de dumping. O processo está na fase de juntar as respostas das distribuidoras Shell, Petrobras e Ipiranga. 

A Shell pediu prorrogação para responder um dos questionamentos. Após esta etapa, o procurador deve avaliar as respostas para definir se vai concluir o inquérito e se vai decidir abrir ação ou não contra as empresas. (Com Gaúcha Serra) 

Foto:

Leia também:  
C
omércio de Caxias acumula perdas, mas lojistas apostam na recuperação 
Inadimplência é a mais alta da história de Caxias do Sul


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros