Fiema quer induzir a formação de um polo ambiental no RS - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Bento Gonçalves11/04/2018 | 13h26Atualizada em 11/04/2018 | 13h26

Fiema quer induzir a formação de um polo ambiental no RS

Participação do terceiro setor na geração de oportunidades de negócios ligados ao meio ambiente foi destaque na solenidade de abertura da feira que acontece em Bento Gonçalves

Fiema quer induzir a formação de um polo ambiental no RS /
Pioneiro
Pioneiro

Ao abrir as portas com mais de 80 expositores e um número superior a 50 palestras técnicas para receber pelo menos 10 mil visitantes em três dias, a oitava edição da Fiema Brasil, realizada pela Fundação Proamb de Bento Gonçalves, renovou um objetivo que há décadas vem sendo trabalhado pela entidade: induzir a formação de um polo ambiental no Rio Grande do Sul.

Disposta a cumprir essa missão, a Feira de Negócios, Tecnologia e Conhecimento em Meio Ambiente iniciou ontem e segue até amanhã, no Pavilhão E do Parque de Eventos de Bento Gonçalves. 

— A Fiema Brasil traz o desafio de inspirar novos negócios e ajudar aqueles já existentes a se beneficiarem por meio da gestão ambiental. São diversas possibilidades relacionadas a utilização de energias, tratamentos de efluentes, aproveitamento de recursos hídricos, destinação de resíduos sólidos e uma série de oportunidades em outras tantas áreas técnicas _ possibilidades que não são o futuro, mas sim o presente das empresas. Juntos, podemos e vamos construir um futuro sustentável _ essa é a mensagem que queremos inspirar — disse o presidente da Fiema Brasil 2018, Jones Favretto.

Ao estimular o contato com novos conceitos e tecnologias, a feira coloca-se na condição proativa de gerar novas oportunidades de negócios e desenvolvimento. 

— Estamos tratando uma causa muito nobre, que é o fomento ao polo ambiental no Rio Grande do Sul. A Proamb vem trabalhando para que a Fiemaseja uma das indutoras desse processo, instigando para o novo, para a superação e adoção de melhorias contínuas no que diz respeito à gestão ambiental. Nosso papel, enquanto terceiro setor, é o de realizar aquilo que o primeiro setor não tem tido a competência para fazer. Assim tem sido ao longo dos 16 anos de legado da feira, entre acertos e superação de dificuldades — destacou Neri Basso, presidente da Proamb.

Essa proposta de utilizar recursos privados com finalidade pública, gerenciando benefícios coletivos _ especificamente na área do meio ambiente _ é o que faz da Proamb um exemplo de instituição, na opinião do Procurador de Fundações do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul, Keller Dornelles Clós. "Compactuamos, enquanto Ministério Público, com a missão da Proamb de defender os interesses da sociedade e sempre seremos apoiadores desse tipo de iniciativa", disse.


Pioneirismo e empreendedorismo


O trabalho da Fundação Proamb também recebeu menções elogiosas do Governador do Estado do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, em seu pronunciamento durante a solenidade de abertura da Fiema Brasil 2018. 

— A Proamb vem assumindo a condição de liderança e executando tarefas que representam a vontade da coletividade, protagonizando parcerias que são sempre bem-vindas entre entidades, poderes públicos e iniciativa privada. É, portanto, um exemplo a ser seguido pelos gaúchos: que devem pensar mais no Rio Grande e efetivamente contribuir para o processo de recuperação que estamos colocando em ação. A Fiema é um caso muito valioso que ilustra o empreendedorismo de nosso povo, unindo setores da economia, promovendo o fomento regional, apontando caminhos, trabalhando por um Estado mais moderno e eficiente e, acima de tudo, desenvolvendo o potencial estratégico do RS  —  disse o governador.

Leia também:
Obra de nova pista BR-116 em Caxias está parada


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros