Começa hoje em Bento Gonçalves a Fiema Brasil  - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Meio ambiente10/04/2018 | 07h00Atualizada em 10/04/2018 | 08h55

Começa hoje em Bento Gonçalves a Fiema Brasil 

Mais de 100 expositores estarão apresentando novidades para o setor. Palestras ampliam área de conhecimento 

Começa hoje em Bento Gonçalves a Fiema Brasil  Ana Cris Paulus/divulgação
Foto: Ana Cris Paulus / divulgação
Pioneiro
Pioneiro

Começa hoje em Bento Gonçalves, a Fiema Brasil 2018, uma feira voltada para o conhecimento e a exposição de oportunidades voltadas para a gestão ambiental. Durante três dias, o Parque de Eventos será transformado em um polo de negócios ambientais. Será possível realizar transações com empresas e prestadores de serviços especializados em diferentes nichos, como resíduos, água, efluentes, energia, tecnologia e gestão, de modo que o visitante poderá encontrar soluções para diferentes necessidades. 

Leia mais:
Feiras na Serra vão impulsionar negócios em abril

Paralelamente à exposição de produtos de mais de 100 expositores, estarão acontecendo congressos, seminários e palestras. É o FiemaCon, quando painelistas que são referência nos setores em que atuam poderão compartilhar com o público um pouco do seu conhecimento e experiência. 

Hoje, os convidados são Clovis Tramontina (Tramontina), Antonio Joaquim de Oliveira (Duratex) e Oscar Motomura (Amana-Key). Presidente do Conselho de Administração da Tramontina, Clovis, por exemplo, não atrela sustentabilidade apenas a meio ambiente. 

— Minha ideia de sustentabilidade é manter empregos bons, saudáveis, em um ambiente de trabalho positivo — diz o empresário.

A razão é simples: é nas organizações que os colaboradores passam a maior parte do tempo.

Para Tramontina, um dos grandes problemas atuais é o da água. 

— Pela nossa localização geográfica, não temos recursos hídricos superficiais disponíveis e dependemos de poços profundos. Nossa preocupação é viabilizar a reutilização da água nos processos produtivos — destaca.

O empresário também falará do conceito de simplicidade que permeia a empresa criada por seu avô e hoje é referência em metalurgia, com seus mais de 18 mil itens produzidos, entre os quais as conhecidas ferramentas e utensílios de cozinha. 

— As pessoas trabalham aqui por oportunidades. A melhor empresa é a que gera lucro, paga imposto, paga fornecedores e paga salários — pondera o empresário.


Carro 100% elétrico é atração

carro elétrico, meio ambiente, Fiema Brasil
Foto: acervo Fiema / divulgação


O público que visitar a Fiema poderá conferir de perto um carro 100% elétrico. O modelo e6, minivã da montadora chinesa BYD, estará em exposição durante os três dias da feira, até quinta.  Um representante da marca explicará seu funcionamento e mostrará curiosidades do veículo que só necessita ter sua bateria carregada durante cerca de duas horas para rodar até 400 quilômetros. 

Ao contrário dos carros convencionais, grandes emissores de gases nocivos ao meio ambiente, os veículos elétricos não emitem quaisquer tipos de fluidos, sendo ecologicamente adequados. Esse é um dos grandes trunfos desses carros, também chamados zero emissões. Outro são os baixíssimos níveis de ruído e de manutenção. Em contrapartida, ainda são comercializados a preços elevados — o custo do e6 no país fica entre R$ 240 mil e R$ 260 mil. As montadoras aguardam a queda no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para carros elétricos e híbridos, anunciada pelo governo, a fim de que possam importar ou trabalhar em projetos nacionais.

No Brasil, os carros elétricos ainda estão em fase de teste, mas já existem modelos rodando em São Paulo e vários eletropostos operam no país. Além deles, a indústria automobilística criou os veículos híbridos e os híbridos plug-in. Nos primeiros, a energia do sistema à combustão é utilizada para carregar as baterias a fim de ajudar no deslocamento do veículo, com uma média emissão de gás CO2. Nos segundos, existe a possibilidade de carregamento da bateria por uma fonte de energia externa, gerando baixa emissão de CO2.

Na União Europeia, a meta é reduzir em 30% as emissões de CO2 de automóveis até 2030, a fim de atingir as metas climáticas do Acordo de Paris. Para isso, linhas de crédito devem ser abertas para impulsionar a produção de veículos de baixa ou nula emissão na ordem de 1 bilhão de euros.


Primeira Usina de Resíduos Sólidos do RS


Serão abertos hoje, às 14h30min, na Fiema, os envelopes das propostas das empresas selecionadas para a construção da primeira Usina de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) do Estado.  Pioneiro no país, o projeto lançado pela prefeitura de Bento Gonçalves visa à implantação de uma usina para tratamento e eliminação dos RSU.

A alternativa torna possível à transformação dos materiais em energias sustentáveis. Após abertos os envelopes, os integrantes do Comitê têm até 30 dias para analisar a documentação, decidir qual o melhor projeto e, a partir desta escolha, elaborar o edital para o lançamento da concorrência pública. O Comitê Gestor é formado por representantes das secretarias de Desenvolvimento Econômico, de Administração e Governo, e de Finanças, da Procuradoria Geral do Município e do Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico (Condebento).


SERVIÇO

O que: Fiema Brasil _ Feira de Negócios, Tecnologias e Conhecimento em meio ambiente

Quando: 10, 11 e 12 de abril de 2018, das 10h às 19h

Onde: Parque de Eventos de Bento Gonçalves, RS

Informações e inscrições para os seminários: www.fiema.com.br

Eventos FiemaCon: a partir das 9h

Leita também:  
Mercado de moedas digitais atrai cada vez mais os investidores
Indústria puxa desempenho da economia caxiense





 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros