Vendas de máquinas agrícolas em alta na Serra - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Agricultura02/03/2018 | 08h00Atualizada em 02/03/2018 | 08h00

Vendas de máquinas agrícolas em alta na Serra

Ano começa bem para as empresas do setor. Boa safra contribui para a renovação da frota

Vendas de máquinas agrícolas em alta na Serra Felipe Nyland/Agencia RBS
Adriano Chiarini, da Agrale, comemora a alta da produção de tratores, que chega a 100 por mês Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

O ano começou aquecido para as empresas que produzem e vendem equipamentos agrícolas. Depois de dois anos de crise, o mercado reagiu e promete recuperar as perdas. A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) projeta para 2018 um crescimento das vendas de 3,7%. O volume comercializado deve alcançar as 46 mil unidades. A queda da taxa de juros do Plano Safra 2017/2018 e o aumento da área cultivada devem fazer com que este seja o ano positivo.

Leia mais:  
Agrale, de Caxias, apresenta nova linha de tratores em feira em Minas Gerais
Caxias do Sul é o maior produtor de peras do Estado  
Confira como foi o desempenho da indústria caxiense em 2017

O otimismo também se reflete nas empresas de Caxias do Sul. Na Agrale, por exemplo, o incremento nas vendas  da linha 500 - carro-chefe da área de tratores - deve chegar a 30%. Uma das maiores fabricantes do país, voltou a produzir, em média, 100 máquinas por mês, depois de um 2016 de mercado difícil e um 2017 morno. Com cerca de um mil funcionários, a empresa voltou  a funcionar com capacidade máxima.

— Estamos otimistas e confiantes no segmento agrícola — destaca o gerente de vendas de tratores da empresa, Adriano Chiarini.

A alta demanda, no entanto, também ocasiona alguns entraves. A falta de componentes importados, entre eles os mecanismos de transmissões, tem represado cerca de 15% dos pedidos. Mesmo assim, Chiarini,  garante que a maior parte da carteira de pedidos está sendo entregue no prazo. 

Cinquenta por cento da produção da empresa caxiense vai as propriedades de café, na região Sudeste. Os outros 50% dos negócios estão focados na produção de uva, aviários e viveiros da Serra Gaúcha. 

Na Sotrima, revendedora dos tratores Massey Ferguson, os negócios também estão em alta. A retomada começou no último trimestre do ano passado e continua se mantendo. O crescimento dos pedidos chega a 15%. Poderia ser maior se o valor da produção fosse melhor, segundo o gerente comercial da revenda, Jacson Alexandre Fabro. 

— Os preços dos produtos vendidos pelos agricultores estão pouco valorizados — aponta.

A reação, apesar de moderada, também aconteceu na Unyterra. Em 2017, o aumento na carteira de pedidos chegou a 15%. Para este ano a previsão é de um incremento entre 8% a 10%.  Assim como Fabro, o coordenador de vendas da empresa, João Paulo Godinho, também comenta as reclamações dos produtores em relação aos preços pagos nas lavouras.

— O custo de plantio permanece alto e o retorno está menor que o ano passado.  


Tecnologia nas lavouras

Graças  ao desenvolvimento da tecnologia, as máquinas exibem cada vez mais automação e sofisticação. Hoje, os tratores, por exemplo,  já vêm equipados de fábrica com essas facilidades, trazendo mais inovação ao campo e mantendo jovens produtores na agricultura.

Dessa forma, tratores, colheitadeiras e pulverizadores contam com tecnologia embarcada, representada por sensores que permitem aumentar a precisão do trabalho, padronizando a operação e controlando eletronicamente a aplicação de sementes, fertilizantes e defensivos, além da colheita. Isso sem contar com o conforto e a segurança. Tem trator com ar-condicionado, espaço para celular e adaptados para qualquer tipo de cultura.

Leia também:
Ministro dos Transportes confirma duplicação da BR-116 em Caxias
Implementos e veículos da Guerra SA, de Caxias do Sul, irão a leilão
Empresa norte-americana visita cidades da Serra com interesse em produção de frutas vermelhas



 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros