Vinda da Havan provoca amor e ódio em Caxias do Sul - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Caixa-Forte27/02/2018 | 14h08

Vinda da Havan provoca amor e ódio em Caxias do Sul

Saiba por que consumidores e empresários dividem opinião sobre a chegada da rede de departamentos

Vinda da Havan provoca amor e ódio em Caxias do Sul Havan/Divulgação
Loja será situada em área da antiga Companhia Estadual de Silos e Armazéns (Cesa), na entrada do bairro Desvio Rizzo, na RSC-453 Foto: Havan / Divulgação

Caxias do Sul se divide entre dois pensamentos. De um lado, os que acreditam que a chegada de grandes redes, como a Havan, que anunciou instalação na cidade, ajuda a desenvolver a economia e a gerar empregos. Até porque vem sendo assim desde que  o comércio tradicional passou a conviver com a abertura de shoppings, de supermercados como o Zaffari, de franquias em todos os segmentos, de redes como a Renner, a Riachuelo, a Americanas e a C&A.

Porém, outro grupo de consumidores e empresários entende que a desburocratização para a construção da Havan é uma medida de exceção, não oferecida a outras empresas, o que seria injusto.

A alegação também é de que redes fortes de varejo podem comprometer a sobrevivência de pequenas lojas que disputam sem igualdade de condições. São pensamentos distintos, que devem ser respeitados, mas a história até agora mostrou que, não raro, a chegada de uma importante marca potencializa todo um eixo comercial e um setor. 

Assim foi com a vinda do Iguatemi, do San Pelegrino e com as revendas de carros que se avizinham na Perimetral. O progresso é um movimento em que todos ganham. 

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros