Postos que baixaram preço da gasolina em Caxias pagaram mais caro do que venderam, aponta ANP - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Suspeita nas bombas27/02/2018 | 13h55Atualizada em 27/02/2018 | 13h55

Postos que baixaram preço da gasolina em Caxias pagaram mais caro do que venderam, aponta ANP

Procon e Ministério Público Federal investigam se distribuidoras obrigaram revendas a cobrar mais barato ao consumidor

Postos que baixaram preço da gasolina em Caxias pagaram mais caro do que venderam, aponta ANP Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Suspeita do Procon é que compensação aos postos tenha ocorrido informalmente Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

A pesquisa mais recente da Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), divulgada entre a tarde de segunda e a manhã desta terça-feira, aponta que os postos que reduziram o preço da gasolina em Caxias compraram o combustível por um preço mais alto do que venderam. O levantamento foi realizado entre a terça (20) da semana passada, quando o valor das bombas ainda não havia caído, e quinta-feira (22), quando a maioria dos postos comercializava o combustível a R$ 3,75.

Em quatro das seis revendas pesquisadas que reduziram o preço para R$ 3,79, o valor pago na compra do estoque ficou entre R$ 3,87 e R$ 3,89 o litro. Uma delas não divulgou o valor de compra e outra pagou o preço de venda, R$ 3,79. Entre todos os postos pesquisados, o valor médio de compra caiu apenas R$ 0,02 em relação à semana anterior. Já o valor médio de venda caiu R$ 0,25.

Leia mais
"Não tem mágica", diz dono de rede de postos sobre gasolina a R$ 3,75 em Caxias do Sul

Conforme o coordenador do Procon de Caxias do Sul, Luiz Fernando Del Rio Horn, a denúncia de dumping (quando os preços são baixados além do normal para prejudicar a concorrência) recebida pelo órgão leva a crer que o desconto das distribuidoras às revendas ocorreu informalmente. A suspeita, porém, ainda está sob investigação. 

Nesta segunda, o órgão começou a notificar postos para apresentar documentação de compra e venda do combustível. O autor da denúncia já foi ouvido e os proprietários das revendas notificadas serão ouvidos após a análise dos documentos. Outra suspeita é de que pelo menos um proprietário de posto tenha sido obrigado pela distribuidora a reduzir o preço na bomba. Caso não aceitasse, o fornecimento da gasolina para a revenda ficaria mais caro do que o habitual.

— Ao que parece, o problema não são os postos, e sim as distribuidoras. A gasolina costuma ser mais cara em Caxias porque as distribuidoras praticam preços mais altos na cidade — explica Luiz Fernando.

Segundo o coordenador do Procon, o objetivo da investigação é esclarecer o que está ocorrendo para evitar que os preços fiquem mais altos no futuro devido à concentração de mercado.

Leia mais
Procon de Caxias do Sul investiga dumping em postos de gasolina
Em um dia, postos de Caxias reduzem em até R$ 0,50 o preço da gasolina

— Se o objetivo é dumping mesmo, o mercado vai ficar ainda mais concentrado e isso é péssimo para o consumidor. A concorrência faz o preço baixar. O Procon adoraria que o preço (real) fosse R$ 3,75 ou menos. A recomendação, inclusive, é que o consumidor aproveite — alerta.

O presidente do Sindipetro, Luiz Henrique Martiningui, disse que a discrepância dos preços na pesquisa pode ter ocorrido se os postos pesquisados baixaram o preço antes de receberem combustível com desconto. Dessa forma, eles só teriam notas fiscais com valor mais alto para apresentar à agência.

Caso as investigações do Procon e do Ministério Público confirmem a prática de dumping por parte das distribuidoras, elas podem ser responsabilizadas nas esferas criminal, administrativa e cível.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros