Distribuidoras de combustível têm até quinta para se manifestar sobre redução da gasolina em Caxias - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Suspeita nas bombas28/02/2018 | 18h16Atualizada em 28/02/2018 | 18h47

Distribuidoras de combustível têm até quinta para se manifestar sobre redução da gasolina em Caxias

Procuradoria investiga se preço nas bombas da cidade foi reduzido para prejudicar concorrência

Distribuidoras de combustível têm até quinta para se manifestar sobre redução da gasolina em Caxias Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Postos vendem combustível a R$ 3,75 desde a semana passada Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

As três distribuidoras de combustível envolvidas na redução de mais de R$ 0,50 no preço da gasolina na última semana têm até esta quinta-feira (01) para se manifestar ao Ministério Público Federal (MPF). A notificação foi encaminhada às empresas na tarde desta terça-feira (27), mas o prazo de 24h só começou a contar na quarta (28).

Leia mais
Postos que baixaram preço da gasolina em Caxias pagaram mais caro do que venderam, aponta ANP
Em um dia, postos de Caxias reduzem em até R$ 0,50 o preço da gasolina
Procon de Caxias do Sul investiga dumping em postos de gasolina

Os investigadores querem saber os motivos e como foi possível reduzir tanto o preço ao consumidor. A suspeita é de que as distribuidoras tenham praticado dumping, prática em que empresas de um setor reduzem os preços bruscamente para eliminar concorrentes e concentrar o mercado. Dessa forma, a longo prazo é possível praticar preços mais altos.

A apuração da redução de preços começou após a denúncia do proprietário de um posto de combustíveis. Na tarde de terça, antes da notificação às distribuidoras, o advogado do empresário foi ouvido pelo MPF e apresentou mais documentos que podem ajudar na investigação. Os investigadores aguardam o retorno das empresas para decidir se instauram inquérito civil.

O Procon de Caxias do Sul também apura o caso e diz ter recebido relato de que pelo menos um dono de posto foi obrigado pela distribuidora a reduzir os preços. Caso não aceitasse, o fornecimento do combustível à revenda ficaria mais caro. O órgão de defesa do consumidor disse que também encaminharia o caso ao Ministério Público Estadual, mas até a manhã desta quarta a Promotoria de Justiça Especializada não havia recebido a documentação.

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros