Pelo quarto ano seguido, Caxias tem saldo negativo na geração de empregos - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Mercado de trabalho26/01/2018 | 11h52Atualizada em 26/01/2018 | 15h16

Pelo quarto ano seguido, Caxias tem saldo negativo na geração de empregos

Segundo o Caged, município fechou 615 postos de trabalho em 2017

Pelo quarto ano seguido, Caxias tem saldo negativo na geração de empregos Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Construção civil liderou encerramento de postos em 2017 Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Tudo indicava que Caxias do Sul fecharia 2017 com saldo positivo na geração de empregos, mas os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho nesta sexta-feira, jogaram um balde de água fria nesta projeção. Puxada pelo desempenho negativo de dezembro, Caxias terminou o ano passado com saldo de 615 vagas encerradas. O resultado é fruto de 56.584 admissões e 57.199 demissões.

É o quarto ano consecutivo que o Caged fecha no vermelho no município. Levando em consideração os dados da Rais, que consolida posteriormente as informações referentes ao mercado de trabalho, é o quinto ano seguido com redução no estoque de empregos no município.

- Embora tenha o saldo tenha sido negativo em 2017, há sinais de melhora em relação a 2015 e 2016. Perderam-se menos postos que nos anos anteriores – aponta a coordenadora do Observatório do Trabalho da Universidade de Caxias do Sul (UCS), Lodonha Soares.

Neste sentido, segundo Lodonha, a perspectiva para 2018 é de que a geração de empregos no município reaja e volte a ficar no azul.

No acumulado de 2017, o resultado do Caged foi influenciado principalmente pela construção civil, que fechou 666 postos em Caxias.

- 2017 foi um ano de poucos lançamentos e de conclusão de obras. Isso acarretou no fechamento de postos de trabalho. Esse cenário deve mudar ao longo de 2018 – analisa Oliver Viezzer, presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil de Caxias do Sul (Sinduscon).

Também tiveram saldos negativos setores como serviços (-263), serviços industriais de utilidade pública (-78) e comércio (-18). Por outro lado, no ano passado, houve desempenho positivo na indústria, com 284 vagas geradas, e na agropecuária, com 132 postos criados.

Em dezembro

Até novembro, Caxias apresentava números positivos no acumulado de 2017. Mas a situação mudou drasticamente no último mês do ano. Isso porque, somente em dezembro, foram realizadas 3.008 contratações e 5.458 demissões, o que resultou em um saldo de 2.450 vagas fechadas. No período, quase todos os setores da economia tiveram desempenho negativo. A indústria e o setor de serviços ficaram com os piores resultados. Encerraram, respectivamente, 1.360 e 784 postos.

No caso da indústria, o resultado reflete o quadro de dificuldade enfrentado por algumas empresas do município na reta final do ano. O presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul (Simecs), Reomar Slaviero, acredita que a situação de companhias como Guerra e Dambroz pesou neste resultado. Com falência decretada em novembro, a Guerra ainda tinha centenas de colaboradores com vínculo empregatício, que encaminharam a rescisão. Já a Dambroz realizou mais de 50 demissões recentemente.

No entanto, o dirigente destaca que há companhias que retomaram as contratações em 2017, ainda que timidamente, algo que pode ser verificado no saldo positivo de 284 postos no acumulado de janeiro a dezembro.

- No somatório, o ano acabou sendo positivo, se comparado com 2016. Mas se compararmos com os bons tempos da indústria, ainda está abaixo– comenta Slaviero. 

Leia também:
Vendas de tevês aumentam 50% no mês de janeiro em Caxias do Sul 
Grupo caxiense Randon inaugura nova fábrica em São Paulo 
Após mais de 50 demissões, trabalhadores protestam pela segunda vez na Dambroz, em Caxias


 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros