Falta de frio causa prejuízo para o comércio e a agricultura da região - Economia - Pioneiro

Prejuízos09/09/2017 | 08h00Atualizada em 09/09/2017 | 08h00

Falta de frio causa prejuízo para o comércio e a agricultura da região

Setores registraram reflexos negativos com a redução das temperaturas baixas

Falta de frio causa prejuízo para o comércio e a agricultura da região Roni Rigon/Agencia RBS
Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Dois setores produtivos estão sofrendo os efeitos negativos com a falta do frio no inverno deste ano em Caxias do Sul e na região. A agricultura e o comércio sentem na pele a ausência das temperaturas mais baixas. A estação meteorológica da Embrapa Uva e Vinho, que faz esse tipo de medição, comprova a redução de horas de frio, na comparação com o ano passado. De abril a agosto, foram registradas apenas 190 horas (abaixo dos 7,2ºC) em Bento Gonçalves. No mesmo período de 2016, a estação meteorológica apontou 519 horas de frio. Foram 63% a menos do que no ano anterior.

Leia mais:
Casa DiPaolo inaugura restaurante em São Paulo, num investimento de R$ 1,7 milhão
Diretor geral da Marcopolo grava mensagem aos funcionários
Produção de morangos em Feliz representa 20% da economia da cidade 

Na tentativa de recuperar a produção, as frutíferas como a maçã, a uva e o pêssego precisaram de estímulo para a brotação. Mesmo assim, a tendência é de que a produção seja menor na próxima safra.

O chefe do escritório da Emater de Bento Gonçalves, Thompson Didoné, diz que as variedades de uva cabernet sauvignon, cabernet franc, tannat e merlot, mais tardias, exigem mais de 300 horas de frio, e a maçã, dependendo da variedade, necessita de mais de 500 horas.

– Orientamos os agricultores para realizar o manejo das suas produções. Existem tratamentos que substituem as horas de frio e suprem essa necessidade.

Falta de chuva já preocupa

Didoné alerta para outro fator climático que pode prejudicar as frutíferas nesta época do ano: a falta de chuva. Segundo ele, a baixa precipitação pluviométrica é maior do que a falta de frio.

– A parreira precisa de água para emitir dos brotos. Estamos presenciando um déficit hídrico, não é seca. O solo está úmido, mas não é o ideal para a brotação. O frio a gente contorna.

Para o enólogo da Emater, ainda é cedo para afirmar que haverá queda na produção, mas existe uma sinalização devido à deficiência na brotação. Didoné diz que a avaliação sobre a quebra da safra deve ser feita mais tarde.

– Agora, a brotação está deficiente, mas pode chover na próxima semana e recuperar.

A partir de agora, o frio é prejudicial para as frutíferas, uma vez que as temperaturas mais baixas causam lesões por queimadura nas folhas e frutas e também são responsáveis por doenças fúngicas e bacterianas.

A falta de horas de frio foi comprovada pelo agricultor Darci Menegotto, 41 anos. Ele conta que precisou reforçar os cuidados com a produção de maçã e de pêssego na propriedade de 10 hectares localizada em Caravaggio da 6ª Légua, no interior de Caxias do Sul.

No ano passado, Menegotto produziu 20 toneladas de pêssego da variedade chimarrita e 40 toneladas de maçã por hectare. Ainda sem estimativa da perda da produção, Menegotto diz que a qualidade das frutas será inferior à da produção deste ano.

– Com certeza, o tamanho e a coloração serão diferentes – projeta ele.

Menegotto reclama que a falta de chuva já está prejudicando a uniformização da brotação da sua produção.

– Todo ano é um problema – lamenta o agricultor.

Comércio deve ter queda de 10% nas vendas

No comércio, artigos de inverno, como casacos, blusões de lã, malhas e acessórios como toucas e luvas já deram espaço para a coleção primavera e verão. A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Caxias do Sul estima que a queda nas vendas seja de 10% em comparação com o ano passado.

O presidente da CDL, Ivonei Pioner, diz que a falta de frio prejudicou especificamente o setor de vestuário, mas outros segmentos, como bares, restaurantes e lojas de acessórios, tiveram um melhor resultado.

– Quem amargou um resultado ruim foi o setor de roupas pesadas, que tem um valor agregado na venda. As malharias e empresas que fabricam casacos de lã tiveram dificuldades – analisa Pioner.

Para atrair os clientes e impulsionar as vendas das sobras de estoques, os lojistas apostam nas promoções como um formato de venda. Segundo Pioner, elas são uma tendência cada vez mais forte e uma prática mundial, pois nenhum lojista guarda coleção para o ano seguinte.


 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros