Reduz em mais de 50% os lançamentos imobiliários em Caxias do Sul - Economia - Pioneiro

Economia19/07/2017 | 15h08Atualizada em 19/07/2017 | 15h08

Reduz em mais de 50% os lançamentos imobiliários em Caxias do Sul

Balanço é de empreendimentos aprovados na prefeitura no primeiro semestre deste ano na comparação com mesmo período de 2016 

Reduz em mais de 50% os lançamentos imobiliários em Caxias do Sul Felipe Nyland/Agencia RBS
Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Foram aprovados 195 mil metros quadrados de novos projetos imobiliários no primeiro semestre de 2017 em Caxias do Sul. O número de empreendimentos reduziu 51% em relação ao mesmo período do ano passado. A maior parte dos lançamentos é na área residencial, mas os 149 mil metros quadrados aprovados pela prefeitura para moradia tiveram queda de 35% em relação ao primeiro semestre de 2016. As informações são da Gaúcha Serra

Leia mais: 
Decreto descongela salários de secretários municipais e CCs em Caxias do Sul
Moradores de asilo destruído pelo fogo em Vacaria são transferidos para novo abrigo
Com mínima de -4ºC, Vacaria e Serafina Corrêa registram as temperaturas mais baixas do RS

O impacto maior é nas edificações industriais que somaram apenas 9 mil metros quadrados neste ano, redução de 87% em relação ao ano passado e de 92% na comparação com 2015. Os novos imóveis comerciais aprovados neste ano chegam a 36 mil metros quadrados, volume 61% menor do que no ano passado.

Os dados foram compilados pelo Sindicato da Construção Civil (Sinduscon) de Caxias do Sul. A diretora de economia e estatística da entidade, Vanessa Borges Camargo destaca também que o primeiro trimestre foi pior com 74 mil metros quadrados novos. O segundo já apresentou números melhores, com 122 mil metros quadrados.

Rafael Treganssin, diretor de assuntos imobiliários do Sinduscon de Caxias e vice-diretor da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cebic), destaca que os primeiros meses do ano, em geral, são mais fracos na construção civil, mas destaca que neste ano houve troca de governo municipal e que as mudanças que ocorreram para aprovação de projetos provocaram uma desaceleração de aprovações no período de adaptação.

Embora o mercado da construção civil seja um dos mais impactados pela crise, Treganssin diz que uma das principais apostas para recuperar as perdas é a taxa básica de juros e há esperança de que o segundo semestre possa compensar os primeiros seis meses do ano. Vale ressaltar que o total aprovado nos primeiros meses deste ano é cerca de um terço dos 667 mil metros quadrados de todo o ano passado.

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros