Indústria de Caxias do Sul acumula queda de 5% no faturamento em 2017 - Economia - Pioneiro

Economia21/06/2017 | 13h35Atualizada em 21/06/2017 | 13h40

Indústria de Caxias do Sul acumula queda de 5% no faturamento em 2017

Projeção para o final do ano é de R$ 10,7 bilhões, 3% menor do que no ano passado

Indústria de Caxias do Sul acumula queda de 5% no faturamento em 2017 Roni Rigon/Agencia RBS
Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

O Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul (Simecs) apontou uma queda de 5,54% no faturamento do setor no acumulado do ano de 2017, de janeiro a maio. A projeção é de que o primeiro semestre gere R$ 5,38 bilhões em negócios e R$ 10,77 bi no final do ano, uma queda estimada em 3,06% em relação ao ano passado. Em 2011, as indústrias tiveram faturamento de quase R$ 25 bilhões para se ter uma ideia da retração ao longo dos últimos anos. As informações são da Gaúcha Serra

Leia mais: 
Caxias do Sul fecha 146 postos de trabalho em maio
Randon Implementos, de Caxias, instalará fábrica no Peru  
Sem a volta da confiança, o Brasil não tem como virar a página da crise

O maior impacto é no mercado de trabalho do setor que move a economia de Caxias do Sul. Desde 2012, a cidade já fechou 20,6 mil vagas. Atualmente, as indústrias do segmento empregam 33,7 mil pessoas.

No último balanço de maio, o crescimento em relação ao mês anterior foi de 18,91%, puxado pelo aumento das exportações em 28,09%. No acumulado do ano e dos últimos 12 meses, no entanto, as exportações têm queda. Em 12 meses, a redução de remessas ao exterior é de 15,50%. Ainda assim, o presidente do Simecs, Reomar Slaviero, aponta novos mercados como saída para a crise.

— Os mercados onde estamos agindo também estão sofrendo dificuldades e reduzindo as compras, mas acreditamos que a saída é a exportação. Como empresário, incentivo novos mercados, novos nichos e novos produtos — aponta Reomar.

O consultor de planejamento econômico do Simecs, Rogério Gava, destaca outros fatores do mercado interno que preocupam o setor:

— O juro mais baixo não está chegando para o consumidor, porque as previsões estão mais pessimistas em função do turbilhão político que estamos vivendo.

Gava projeta de três a quatro anos para a economia recuperar as perdas acumuladas nos últimos dois anos de recessão. O presidente do Simecs exemplificou o caso da multinacional italiana Unitec, que veio a Caxias do Sul estudar a possibilidade de instalar uma filial para fabricação de equipamentos para processamento de frutas, mas que recuou depois dos episódios recentes na política brasileira.

Reajuste da categoria

A divulgação dos números do setor ocorre um dia antes da primeira rodada de negociações do reajuste dos metalúrgicos. A data-base da categoria é 1º de junho. O valor de referência para o reajuste costuma ser o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) do período. No acumulado de 12 meses, o índice fechou com a alta de 3,35%.

As negociações entre o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos e o Simecs ocorrem na quinta-feira, às 14h, no Centro Universitário Ftec. A discussão deste ano terá foco no reajuste salarial porque o acordo do ano passado já tratou das cláusulas sociais da categoria. 

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros