Malharias da Serra esperam ano com vendas aquecidas - Economia - Pioneiro

Indústria23/05/2017 | 07h00Atualizada em 23/05/2017 | 08h26

Malharias da Serra esperam ano com vendas aquecidas

Aumento de uso da capacidade produtiva e vinda de caravanas de lojistas trazem otimismo ao setor

Malharias da Serra esperam ano com vendas aquecidas Roni Rigon/Agencia RBS
Nelso Giacomin, proprietário da Gida Malhas, recebe até 20 caravanas de lojistas por dia Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Às vésperas do inverno, as malharias da Serra Gaúcha traçam projeções otimistas para as vendas em 2017. Com os estoques acumulados de outros anos zerados, muitas empresas voltaram a utilizar a capacidade produtiva máxima e já começaram a entregar as peças para o comércio. Além disso, uma série de companhias na região não para de receber caravanas de lojistas vindos de diferentes partes do país.

Leia mais:
Receita da Randon, de Caxias, cai no quadrimestre
Startup Weekend resulta em 10 projetos de empresas
'Quem não pode ser punido é o país, diz presidente da Federasul

O movimento nos primeiros meses do ano é comemorado pelo sócio-proprietário da Gida Malhas, Nelso Giacomin. O empresário lembra que, depois de temporadas de vendas em queda, em 2016 o frio de maio e junho impulsionou os negócios em 30% na comparação com 2015. Por isso, a meta é, pelo menos, repetir o desempenho positivo do ano passado.

– Até agora, as vendas estão maiores que no ano passado. Temos que ver como isso vai terminar, só no final de junho teremos a resposta. A expectativa é boa, mas depende do tempo. Quando chega o frio, o produto vende.

Com uma produção de 120 mil peças ao mês, a malharia caxiense destina 70% dos artigos para pronta-entrega e o restante para atender pedidos. Praticamente todos os dias, lojistas chegam na empresa buscando produtos. Segundo Giacomin, há dias em que chegam até 20 excursões, com mais de 200 comerciantes.Nesse contingente está a empresária Valdete Ferreira, que veio de Itajaí, Santa Catarina, especificamente para comprar artigos de marcas gaúchas.

– Fiz um pedido de 100 peças e vim buscar outras 100 aqui. Se o frio for intenso, venderemos melhor que no ano passado – analisa a proprietária de uma loja catarinense de roupas femininas.

Capacidade máxima

Após vivenciar temporadas consecutivas de baixa nas vendas, a malharia Cometa, de Flores da Cunha, encara 2017 como o momento da retomada. Com foco no trabalho por demanda, a empresa está com a agenda repleta de pedidos.

– Estamos utilizando 100% da capacidade produtiva desde janeiro. Não temos como aceitar mais pedidos até o final de junho – afirma Elias Biondo, diretor administrativo da Cometa.

No ano passado, a ocupação da capacidade de produção foi de 80% na época de pico. Biondo lembra que o cenário de crise também impactou o setor. A Cometa chegou a reduzir cerca de 20 postos de trabalho. Com o bom desempenho até o momento, a tendência é de crescimento de 10% no faturamento e de voltar a contratar conforme aumente a demanda.

A presidente do Sindicato das Indústrias de Fiação, Tecelagem e Malharias da Região Nordeste do Rio Grande do Sul (Fitemasul), Paola Reginatto, se mostra cautelosa com a projeção de vendas do setor, mas acredita que as empresas da Serra devem apresentar, no mínimo, estabilidade em relação ao ano passado.

– Estamos trabalhando com um número muito próximo a 2016. Em um mercado onde houve redução de consumo em todos os principais setores da economia, acreditamos que se conseguirmos nos manter estáveis já é uma vitória – diz Paola.

A entidade, entretanto, não tem cifras ou dados relativos às perspectivas de produção ou vendas em 2017.

Festimalha supera expectativa

Um dos principais termômetros de vendas das malharias, o Festimalha chega a sua última semana com expectativa de superar os resultados obtidos no ano passado. Na ocasião, foram 106 mil visitantes, 450 peças de roupas vendidas e R$ 31 milhões de faturamento. A organização não dispõe de dados parciais atualizados, mas o último indicativo foi de 50 mil visitantes nas duas primeiras semanas. No entanto, o clima é de otimismo entre os lojistas.

– O ano está muito bom, estamos com bastante vendas. Informalmente, ouvimos de expositores que até o momento eles já venderam mais que no ano passado – afirma Rebbie Forian, coordenadora de comunicação e eventos Associação Comercial e Industrial de Nova Petrópolis (Acinp).

O festival ocorre no Centro de Eventos de Nova Petrópolis até 28 de maio, de quinta-feira a domingo, das 10h às 19h. A expectativa dos organizadores é de que o público compareça em peso nos últimos dias. O fluxo de pessoas deverá ser influenciado pelo feriado de Nossa Senhora do Caravaggio.

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comCaxienses buscam o bicampeonato do Rally dos Sertões 2017 nos carros e nas motos https://t.co/sKSgFKDWfQ #pioneirohá 7 minutosRetweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.com"A pecuária é compatível com a conservação do campo nativo", diz ambientalista https://t.co/PQGtt3qthc #pioneirohá 27 minutosRetweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros