Justiça bloqueia bens de empresários de Caxias acusados de fraudes no fornecimento à Petrobras  - Economia - Pioneiro

Investigação24/02/2017 | 15h44Atualizada em 24/02/2017 | 15h44

Justiça bloqueia bens de empresários de Caxias acusados de fraudes no fornecimento à Petrobras 

Decisão liminar tem como réus Osvaldo Voges, Viviane Cassol, Agostinho Cassol e a empresa Competence 

A 4ª Vara Federal de Caxias do Sul determinou a indisponibilidade dos bens da metalúrgica Competence Ltda e de seus sócios Osvaldo Voges, Viviane Cassol e Agostinho Cassol, acusados de superfaturar contratos firmados com o poder público. As informações são da Gaúcha Serra.

De acordo com a denúncia oferecida pelo procurador Fabiano de Moraes, do Ministério Público Federal (MPF), a indústria acionada servia de fachada para negócios do grupo metalmecânico Voges, impedido de participar de licitações. O esquema teria sido descoberto a partir de denúncias da prática de "sobrepreço" na venda de motores para a Petrobras, conforme o MPF.

Leia mais
Atrativos e estrutura de Flores da Cunha tiram empresas de Caxias
Keko, empresa que atuou 25 anos em Caxias, se muda para Flores da Cunha e emprega 450 pessoas
"A burocracia é tanta que estou desistindo", diz empresário que espera há três anos para abrir negócio em Caxias

O órgão apontou como indícios dados do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) em que as empresas tinham o mesmo endereço e telefone. Ainda na denúncia do MPF, o esquema é apontado como forma de burlar processos de recuperação judicial, que incluiriam dívidas trabalhistas e rescisórias de ex-empregados. 

A juíza Silvana Conzatti deferiu parcialmente o pedido liminar e decretou a indisponibilidade dos bens móveis, imóveis e ativos financeiros da metalúrgica e de dois sócios, o casal Osvaldo Voges e Viviane Cassol, até o limite de R$ 2 milhões. Um terceiro cotista, o sogro de Voges, não foi afetado pela medida por não possuir poderes de administração.

A empresa também fica impedida de novos contratos com o poder público e foi recomendado à Petrobrás que suspenda pagamentos em favor da ré. O mérito da ação ainda não foi analisado e cabe recurso desta decisão liminar ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). O processo, que tramitava em sigilo, teve o segredo de Justiça quebrado na metade de fevereiro.

Procurado pela rádio Gaúcha, Antonio Tovo, advogado da Souto Correa, que representa os três réus e a pessoa jurídica no processo, afirma que a linha de defesa é de que tudo ocorreu dentro da regularidade na constituição da empresa e no fornecimento da mercadoria.

— O sobrepreço já foi afastado pela magistrada e, por cautela, a magistrada entendeu fazer o bloqueio dos bens. A Competence não é uma empresa de fachada. O procurador tomou uma medida com base em uma visão distorcida do que aconteceu — disse por telefone.

O advogado da empresa diz que tem prazo até 15 de março para apresentar a defesa.

*Colaborou Suelen Mapelli

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros