Empresários de Caxias do Sul pedem união contra a crise - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Crise na economia06/02/2017 | 09h00Atualizada em 06/02/2017 | 15h04

Empresários de Caxias do Sul pedem união contra a crise

Cerca de 1,5 mil empresas estão enfrentando dificuldades para pagar salários e rescindir contratos

Empresários de Caxias do Sul pedem união contra a crise Roni Rigon/Agencia RBS
A tradicional família Paniz, quehá 44 anos fundou a Mecânica Silpa, perdeu prestígio, amigos e parte da família Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

A indústria caxiense, que sempre foi motivo de orgulho para a cidade, deu lugar à vergonha. A tal ponto de muitos empresários não terem forças de contar publicamente sua história. Com o DNA da palavra empreender nas veias, eles clamam por união para sobreviver à esta crise, que parece não ter fim.

Leia mais
Confira histórias de empresários de Caxias que passaram pela crise econômica
Colheita da maçã abre com expectativa de crescimento e boa qualidade na Serra
Indústria caxiense cai duas vezes mais do que a gaúcha e a nacional

Um deles, que não quer se identificar, é dono de uma das mais tradicionais empresas metalmecânicas de Caxias. Aos quase 70 anos, ele já não se sente dono dela. 

— Trabalhei dia e noite para construí-la. Agora, estou vendo o patrimônio sendo corroído, sem poder fazer nada. Acordo de madrugada e não consigo mais dormir. Bate o desespero.Ele chegou ao ponto de ser proibido de sair da empresa pelos próprios funcionários por atrasar parte dos salários.

— Não sou o maior culpado desta crise. Eu tentei administrar da melhor forma. Mas como interferir nas decisões do nosso governo? Sua história é apenas mais uma entre as cerca de 1,5 mil empresas que estão com dificuldades para pagar despesas com impostos e trabalhistas. Se, por um lado, os trabalhadores exigem seus direitos, por outro, os proprietários perderam o sossego, o prestígio, o respeito.

Colheita da maçã abre com expectativa de crescimento e boa qualidade na Serra
Neobus, de Caxias, tem novo diretor
Demanda brasileira por ônibus ocupa apenas 1/4 da capacidade instalada nas fábricas de Caxias

— Me sinto um fracassado. Jamais imaginei que passaria por isso na minha vida. Sinto vergonha. Perdi a vontade de viver — exclama o empresário.

— Não quero falar, tenho vergonha de aparecer. A queda foi brutal! — diz outro empresário.

Esse é um dos reflexos atuais de uma cidade de quase 500 mil habitantes e que tem sua economia baseada no setor metalmecânico. Pouco se diversificou nas últimas décadas. Tampouco foram trazidas novas empresas ou se pensou no futuro da cidade. Em seis anos, o faturamento da indústria caxiense baixou pela metade. Os dados do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico (Simecs) apontam que o faturamento do setor, em 2010, foi de R$ 25 bilhões. Em 2016, caiu para R$ 11,2 bilhões.

Nos últimos quatro anos, a indústria caxiense fechou 21 mil postos de trabalho – queda de quase 39%. Em setembro de 2013, o emprego no setor alcançava seu ponto alto: mais de 54 mil empregados. No final de 2016, caiu para 33 mil.Na última sexta, o Simecs divulgou uma nota em que manifesta sua posição sobre a atual situação das empresas. O texto ressalta esforço dos empresários para manter os negócios em operação, o sindicato pede a união de todos os poderes e a sociedade para buscar alternativas. "A crise não é de um, é de todos", diz o presidente do Simecs, Reomar Slaviero.

Todos os setores da economia caxiense fecharam 2016 no vermelho. Em três anos, o recuo foi de um terço, 33%.

Portanto, é hora de unir forças para impedir que a Pérola das Colônias se torne uma Detroit – o berço da indústria automotiva americana que acabou abandonado pelas montadoras.

"Estamos sendo marginalizados"

A tradicional família Paniz, quehá 44 anos fundou a Mecânica Silpa, perdeu prestígio, amigos e parte da família. Em pouco mais de seis anos, a atual proprietária da empresa, Silvia Paniz, 52 anos, perdeu o pai, Hermenegildo (fundador), o irmão Gilmar (ex-diretor) e outro diretor que comandava a empresa como se fosse sua. Por pouco, não perdeu a Silpa Peças e Equipamentos.Em 2012, ela se viu sozinha para tocar o negócio. A crise chegou logo em seguida e Silvia perdeu o chão. Com 280 funcionários para comandar, passou a estudar cada detalhe da administração para se reestruturar e salvar o patrimônio da família. Hoje conta com 110 colaboradores – 60% a menos:

— Tá sendo muito duro. Admitir que não tenho dinheiro para pagar os salários é como me enterrar viva.

Empreender está no DNA da maioria dos empresários caxienses. Não poder pagar as contas em dia, segundo eles, é sinônimo de incompetência. Mas a crise não foi criada pelo setor industrial de Caxias. O município tem lideranças e poder para cobrar soluções.

— É preciso nos unir. Por favor, vamos nos dar as mãos: empresários, funcionários, sindicatos, Justiça do Trabalho. Estamos precisando de ajuda. Só assim encontraremos uma saída — suplica Silvia.

Assim como outros empresários, que preferiram não aparecer nesta reportagem, Silvia também sente vergonha de não conseguir manter as contas em dia:– Mas é preciso dar a cara a tapa.No início de dezembro do ano passado, um protesto de funcionários em frente à empresa devido ao não pagamento das rescisões de 17 funcionários demitidos foi a maior prova de fogo que enfrentou.– Me senti uma marginal!

E acrescenta:

— Ninguém se coloca no nosso lugar. Nenhum empresário quer demitir, pois estamos demitindo uma família. Mas o que fazer, se o faturamento reduziu 50%? — pergunta.

Hoje, Silvia toca a empresa, juntamente com outro irmão, e tenta preparar o filho, Taylor, 26, para assumir o comando. Ele começou na expedição e conhece todo o processo de produção. Ela ainda não aprendeu a demitir funcionários, principalmente os que têm mais de 30 anos de empresa e ajudaram a construir o negócio. Por dois motivos: pelos laços criados e pelo alto custo que envolve as rescisões. Ela prefere trabalhar com 10% de ociosidade.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros