Ministro do Paraguai visita Caxias em busca de empresas interessadas na internacionalização - Economia - Pioneiro

Negócios01/12/2016 | 07h02Atualizada em 01/12/2016 | 07h02

Ministro do Paraguai visita Caxias em busca de empresas interessadas na internacionalização

A baixa pressão tributária do país é um dos diferenciais ressaltado pela comitiva

Ministro do Paraguai visita Caxias em busca de empresas interessadas na internacionalização Roni Rigon/Agencia RBS
Menores custos trabalhistas também estão incluídos na lista do grupo quando são citadas as facilidades para expandir. Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Com a pretensão de afinar as relações comerciais entre o Brasil e o Paraguai, uma comitiva do país vizinho esteve em Caxias do Sul nesta terça e quarta-feira. Liderado pelo ministro da Indústria e Comércio do Paraguai, Gustavo Leite, o grupo focou boa parte das atividades em visitas e eventos com empresas interessadas na internacionalização. A ideia da comitiva é atrair empreendedores brasileiros para expandir as operações em solo paraguaio — que conta com custos menores de produção —, substituindo, assim, parte das importações que chegam do continente asiático na América Latina.

Leia mais
"Despiora" ganha força na economia de Caxias
Em outubro, 90 vagas foram abertas em Caxias
Profissionalismo e inovação amenizam impactos da crise no setor têxtil da Serra 

A estratégia do governo paraguaio tem dado certo: conforme Leite, cerca de 60 empresas do Brasil abriram alguma unidade no país vizinho nos últimos anos. A energia elétrica, bem mais em conta (chega a ser 80% mais barata), é um dos diferenciais citados pela comitiva:

— O Paraguai pensa que hoje, no mundo, devemos fazer todo o possível para virarmos competitivos. O mundo tem essa regra. Vemos que a Índia, a China, produtores de grande escala, todos estão jogando forte. Achamos que uma aliança forte entre os países do Mercosul é importante nesse cenário. O Paraguai oferece hoje competitividade para que as empresas brasileiras possam substituir o que importam da Ásia e também para que as empresas brasileiras possam ter uma uma plataforma para a internacionalização — resume Leite.

A baixa pressão tributária é outro diferencial do Paraguai ressaltado pela comitiva. As indústrias que se instalam no país podem importar a matéria-prima de qualquer lugar do mundo com isenção total de impostos de entrada e pagar 1% na saída. Menores custos trabalhistas também estão incluídos na lista do grupo quando são citadas as facilidades para expandir:

— Os encargos são bem menores. Algumas áreas da legislação trabalhistas são mais amigáveis para a empresa e para o trabalhador no Paraguai. Conseguimos uma paz social com trabalhadores. Não lembro de uma greve no setor privado no Paraguai nos últimos 25 anos. E não é porque não tenha sindicato, é porque compreendemos que para ter trabalho, tem que ter empregador — justifica Leite.

Internacionalizar as empresas, muitas vezes, traz um temor para a sociedade de que a estratégia pode enfraquecer a economia local, já que empregos serão gerados em outro país. Esse pensamento, na visão do ministro do Paraguai, não tem mais espaço no mercado atual:

— No mundo de hoje, os países que não potencializarem a internacionalização perdem terreno. Não é uma questão de vontade ou não. Os americanos, os japoneses, os europeus... eles empurram suas empresas para fora. Nenhum país do mundo pode fazer tudo no seu país. Pensar assim é uma visão estreita da situação. Quem não vira competitivo hoje, tem risco de sair do jogo — acredita.

"Gostaríamos de ter uma Caxias no Paraguai"


A programação da comitiva do Paraguai na Serra incluiu visitas a empresas e também um encontro no Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico (Simecs). O ministro da Indústria e Comércio do país, Gustavo Leite, destacou que a recepção da região foi "espetacular":

— Fiquei surpreso com o desenvolvimento da região. É uma pequena Europa no Brasil. Gostaríamos de ter uma Caxias no Paraguai e vamos trabalhar para isso.

Sobre as mudanças no governo brasileiro, Leite avalia que há uma "nova visão sobre o Mercosul atualmente":

— Estamos voltando às origens. O Mercosul é um livre comércio entre os países envolvidos, mas nos últimos anos, andava cada vez mais reservado e filosoficamente político. Os governos novos de Brasil e Argentina voltaram a ter a visão de antes.

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comReforma acaba com fator previdenciário e fórmula 85/95 https://t.co/qV2NWJo4wJ #pioneirohá 3 minutosRetweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.com"Pago para evitar agressões a meu filho", afirma mãe de detento da penitenciária de Caxias do Sul https://t.co/bNiwpaYlF1 #pioneirohá 32 minutosRetweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros