Alface aumenta 100% em Caxias - Economia - Pioneiro

Seu bolso01/11/2016 | 11h00Atualizada em 01/11/2016 | 11h00

Alface aumenta 100% em Caxias

Chuva em excesso causou inundações e prejuízos nas lavouras de hortaliças folhosas da região

Alface aumenta 100% em Caxias Felipe Nyland/Agencia RBS
No dia 18 deste mês a unidade do produto custava R$ 0,50 na Ceasa. Já na última semana, o valor pulou para R$ 1. Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Depois de impactar nas lavouras da Serra, a chuvarada registrada nas últimas semanas vem refletindo agora no bolso do consumidor. A produção das hortaliças folhosas (como alface e chicória) foi a mais atingida pelo excesso de precipitações e também pelas inundações causadas pela alta do Rio Caí. O resultado disso é menos oferta no mercado e, por consequência, elevação de preços. A alface, de uma semana para outra, subiu 100%, apontam dados da Ceasa/Serra.

Leia mais
Desde o início da crise, mais de 20 mil vagas foram fechadas em Caxias
Carga transportada na Serra reduziu até 50% desde o início da crise
Setor moveleiro da Serra teve "respiro" em agosto, mas melhora não é constante


Conforme o levantamento, no dia 18 deste mês a unidade do produto custava R$ 0,50. Já na última semana, o valor pulou para R$ 1. A chicória teve alta semelhante, de 86,5%, pulando de R$ 0,67 para R$ 1,25.

— O preço normal da alface é R$ 0,80, R$ 0,90 por unidade, então R$ 1 não é nenhum absurdo. Antes é que estava muito barata, pois estava com muita oferta. O problema é que alguns supermercados aproveitaram essa alta e estão vendendo a unidade a mais de R$ 3 e, nesses casos, realmente é um valor expressivo — analisa o gerente-técnico operacional da Ceasa/Serra, Antonio Garbin.

Na tarde de ontem, os produtores da Ceasa estavam vendendo a caixa de alface (com 12 unidades) por R$ 15. Isso indica que a média do produto deve subir mais um pouco nessa semana, chegando a R$ 1,25.

Na propriedade de Eleda e Anselmo Hansen, em Bom Princípio, boa parte da produção foi perdida com a alta do Rio Caí. O que sobrou estava sendo comercializado pelo casal ontem, na Ceasa:

— Salvamos o que plantamos na parte alta da propriedade. Na parte baixa, perdemos tudo pro rio. A gente já planta uma parte na região mais alta porque sabemos desse risco — conta Anselmo.

Para não depender do clima, a agricultora Janete Andriguetti, de São Marcos, produz alfaces hidropônicas. O restante da produção — que conta com itens como radicci e rúcula — também é cultivada em estufas:

— Essa chuvarada ao menos diminuiu a oferta, o que é positivo, porque essa crise diminuiu o consumo das pessoas em mais de 50%. Estava sobrando muito alimento. Antes, a gente estava praticamente dando alface. Está bem complicado — relata Janete.

A alta nas hortaliças folhosas, avalia Eduardo Luis Slomp, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios de Caxias do Sul (Sindigêneros), não deve persistir por muito tempo. O dirigente comenta que o abastecimento ontem já aparentava estar mais normalizado do que na última semana:

— Historicamente, os reflexos de chuva não duram muito tempo. Os impactos da seca, que ocorrem no verão, costumam ser mais longos — antecipa.

A previsão do monitoramento climático da Rio Grande Energia (RGE) é de que novembro será marcado por temporais e grandes volumes de chuva.

Frio prejudicou morango

Além das hortaliças folhosas, a bergamota e o morango registraram altas consideráveis na última semana. Segundo o gerente-técnico operacional da Ceasa/Serra, Antonio Garbin, a entressafra explica a alta de 50% da bergamota:

— Como a oferta do produto vem diminuindo aqui com o fim da safra, a bergamota começa a vir de outros Estados. Isso encarece o valor — conta.

Já no caso do morango, a elevação decorre da diminuição da oferta do produto. O que gerou a escassez no mercado foi o frio, que retardou o amadurecimento da fruta.

— Esperamos que isso se resolva a partir de agora, já que o calor voltou — analisa Garbin.

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros