Serra já registrou cerca de 600 horas de frio neste ano - Economia - Pioneiro

Caixa-Forte20/09/2016 | 07h07Atualizada em 20/09/2016 | 15h31

Serra já registrou cerca de 600 horas de frio neste ano

No ano passado, apenas 145 horas com temperaturas abaixo de 7,2°C foram registradas

Serra já registrou cerca de 600 horas de frio neste ano Roni Rigon/Agencia RBS
A torcida dos produtores agora é para que a frente fria prevista para esta semana não resulte em nenhuma geada tardia, como ocorreu em 2015, pois a brotação já dá sinais nas parreiras. Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

O pouco frio registrado no ano passado foi um dos fatores que motivou a última safra da uva a apresentar baixas próximas de 65% na região. Como o calor predominou no inverno passado, a brotação das parreiras começou de forma antecipada, gerando menos gemas (que dão origem a folhas e flores) nas plantas. Para piorar, uma forte geada tardia vinda em setembro queimou boa parte da produção.

Leia mais
Vinícola de Flores da Cunha projeta crescer 25% no ano

Marca de móveis e decoração abre loja em Caxias
Pizzaria Giordani, de Caxias, amplia coleção de antiguidades com ônibus da década de 1960

Neste ano, por enquanto, o cenário se desenha bem mais animador. Enquanto em 2015 foram registradas apenas 145 horas de frio (temperaturas abaixo de 7,2ºC) de abril a setembro, neste ano já se contabilizam cerca de 600 horas, relata Enio Todeschini, engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar. A média histórica aponta para cerca de 400 horas de frio por ano.

— O frio intenso e constante ajuda não só na quantidade, como também na qualidade da uva — destaca Todeschini.

A torcida dos produtores agora é para que a frente fria prevista para esta semana não resulte em nenhuma geada tardia, como ocorreu em 2015, pois a brotação já dá sinais nas parreiras (foto). Uma reviravolta no tempo agora prejudicaria também outras culturas, como o pêssego, a ameixa e a maçã.

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros