Festa da Uva vai movimentar R$ 150 milhões na economia de Caxias do Sul - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

18/02/2016 | 05h31

Festa da Uva vai movimentar R$ 150 milhões na economia de Caxias do Sul

Na região, a estimativa é R$ 200 milhões. Setores como hotelaria e gastronomia estão entre os mais beneficiados

Festa da Uva vai movimentar R$ 150 milhões na economia de Caxias do Sul Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Caxienses como a artista plática Gê Frank apostam no diferencial dos seus produtos para incrementar as vendas Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS
A artista plástica Gê Frank é uma das caxienses que aposta na Festa da Uva. Pela primeira vez investiu cerca de R$ 20 mil para ter um espaço exclusivo de 20 metros quadrados nos Pavilhões. No ambiente, ela pretende encher os olhos dos visitantes com suas peças sacras e budistas revestidas de pérolas. Um trabalho exclusivo e artesanal que ressalta o talento dos artistas locais. A expectativa é encantar, mas também ter um retorno financeiro satisfatório.

— Espero faturar R$ 40 mil. O dobro do investimento — aposta a artesã.

Mesmo em um momento de crise, a expectativa dos organizadores é de que a Festa da Uva movimente R$ 150 milhões na economia caxiense. Na região, a estimativa é de R$ 200 milhões. Um alento para vários segmentos que, em 2015, amargaram queda de 18,7%.

— A Festa impulsiona setores como o turismo e o de serviços, e aumenta a autoestima da cidade em um momento que passa por dificuldades, principalmente no setor metalmecânico. É uma demonstração de força, uma engrenagem que estimula o crescimento do município. Os hotéis ficam lotados e os restaurantes também —observa o presidente da Festa da Uva 2016, Edson Néspolo.

O Sindicato Empresarial de Gastronomia e Hotelaria estima uma ocupação média de 60% dos 2.989 mil leitos oferecidos em Caxias. Para o presidente da entidade, João Leidens, esse incremento fortalece o setor num período em que a ocupação não passa de 40%.

A direção do hotel Blue Tree projeta ocupação de 90% nos finais de semana do evento. A supervisora operacional do hotel, Roberta Albuquerque, diz que as reservas estão esgotadas em alguns dias da Festa. Otimista, ela garante que a ocupação média no período, vai ser de 80%. Na área gastronômica a estimativa é crescer 30% nos 15 dias de evento.

O sócio proprietário da Casa DiPaolo, Márcio Macagnan, aposta, além do bom galeto, no atendimento diferenciado para atrair os turistas.

— A comida típica italiana é uma marca recomendada, mas o segredo é atender melhor e acreditar —diz Macagnan.

O potencial da Festa é expressivo. Os 460 espaços comerciais foram todos vendidos semanas antes do prazo, criando lista de espera. A venda gerou lucro de mais de R$ 3 milhões para o evento. O número de patrocinadores também cresceu em mais de 20% nesta edição. 

Temporários ajudam a realizar sonhos 

A estudante da faculdade de Engenharia Ambiental Caroline Rossi, 23 anos, percebeu na Festa da Uva uma oportunidade para conseguir realizar sua festa de formatura, no final deste ano. Cursando o nono semestre, comemorar esta etapa da vida é um sonho.

Os R$ 650 que vai receber pelas duas semanas de trabalho já têm destino certo. Vão engordar o caixa para pagar os custos do evento. Ela será uma das vindimeiras da festa. Vai entregar, diariamente, uvas aos visitantes no Palácio da Uvas, das 14h às 18h, e nos finais de semana, das 14h às 20h. Simpática e inteligente, promete conquistar os turistas oferecendo-lhes a estrela da Festa.

Caroline integra a lista de 2 mil pessoas que conseguiram um emprego na Festa, mesmo que temporário.

— São funcionários terceirizados que atuam na montagem dos estandes, na segurança do Parque de Exposições, na limpeza e também na recepção dos visitantes e nos próprios estandes. Também há contratação para trabalhar nas bilheterias e no estacionamento, e ainda durante os shows — ressalta Nespolo.

A força da Festa da Uva é histórica. O evento surgiu em 1931, ano em que o mundo enfrentava a quebra da Bolsa de Valores de Nova York. À época, a região serrana também sentiu os reflexos das oscilações na economia e, mesmo assim, produtores rurais e empresários apostaram na realização de uma Feira Agroindustrial, que enfrentou as adversidades e cresce a cada edição.

Para Nespolo, apesar do momento delicado na economia brasileira, a festa consegue dar uma resposta positiva à cidade.  

Números

* A festa vai movimentar R$ 200 milhões na economia de Caxias e região

* 460 expositores setorizados

* R$ 3 milhões de lucro para a festa gerado com a venda de estandes

* 9,4 mil metros quadrados de estandes

* Aumento de 20% no número de patrocinadores

* Cerca de 2 mil empregos temporários

* 220 mil quilos de uva para serem distribuídos gratuitamente

* Com o valor de R$ 3 pago pelo quilo da uva, o orçamento total ficou na casa dos R$ 17 milhões. O orçamento inicial era de R$ 14,7 milhões.
 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros