Lourenço Castellan diminui o ritmo, mas não se afasta das atividades da Florense - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Os Empreendedores24/11/2012 | 07h01

Lourenço Castellan diminui o ritmo, mas não se afasta das atividades da Florense

Sempre aos sábados, o Pioneiro recorda a trajetória de grande empreendedores da região, com mais de 80 anos, e que servem de exemplo para os jovens líderes

Lourenço Castellan diminui o ritmo, mas não se afasta das atividades da Florense Maicon Damasceno/
No quarto, lugar preferido do castelo, Lourenço fica atento ao noticiário econômico nacional e internacional, um de seus momentos favoritos Foto: Maicon Damasceno

Após 10 minutos de conversa com Lourenço Castellan, na mesa secundária da sala de jantar de sua casa, a imagem conhecida de homem de negócios é quebrada. Empreendedor respeitado e fundador da Florense, Castellan é simples, de riso fácil e emotivo toda a vez que fala da família.

VÍDEO: algumas história de Lourenço Castellan


Aos 82 anos, está saindo de cena aos poucos, deixando para os filhos o comando da empresa que iniciou jovem, aos 23. Porém, não pensa em parar de trabalhar. Bem humorado, avisa:

— Só saio da Florense se me mandarem embora.

Sexto de dez irmãos, começou a trabalhar cedo. Estudou até a quarta série e fez o ginásio por correspondência. Da mãe que lavava e passava roupas para fora, aprendeu a importância do trabalho. Aos 13 anos começou a trabalhar, buscando água na fonte, com uma pequena pipa, para levar aos trabalhadores da Granja União. Em busca de nova função, e de tanto insistir com Olímpio Cavagnoli, aos 14 anos o entusiasmado Lourenço foi trabalhar com ele, em sua oficina.

A facilidade para o desenho, os trabalhos manuais e a criação de peças e esculturas foram presentes divinos, atribui. Não foi preciso aprender a fazer, a habilidade já existia desde sempre.

— Deus me deu uma facilidade, sou entalhador de alta profundidade, e isso não é fácil. Ele me deu isso de graça, e também uma outra coisa, a facilidade de fazer contas. Não uso máquina até hoje. Quando vejo a juventude que não gosta de matemática, fico apavorado — revela.

Além da empresa, a família é o que mais o emociona. Com a esposa Noemy, teve três filhos: Gelson, Eliana e Leila. O primogênito é quem leva a empresa adiante, embora Lourenço ainda siga na presidência. A filha do meio, Eliana, é a diretora financeira, e a caçula, Leila, é dona de uma loja Florense em Porto Alegre.

— Procurei casar com uma pessoa trabalhadora, muito comunicativa, que nunca teve preguiça. Ela soube muito bem criar os filhos. Sempre tive um sonho: ter filhos maravilhosos, ser alguém na vida. É isso que eu conquistei — revela, emocionado.

A FLORENSE

Previsão da receita para 2012: R$ 430 milhões, 15% maior do que 2011
Número de funcionários: Na fábrica, 570. Em toda a rede, mais de 2.000
Número de lojas franqueadas: No Brasil, 60. No exterior, 12
Lojas no exterior: Paraguai (Asunción), Uruguai (Montevideo e Punta Del Este), Chile (Santiago), Guatemala (Ciudad de Guatemala), República Dominicana (Santo Domingo), Panamá (Ciudad de Panamá), México (Monterrey e Ciudad de México) e EUA (NY, Chicago e Miami)
Fundação: 18 de maio de 1953

Leia mais sobre a história de Lourenço Castellan no Pioneiro deste final de semana.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros