Tecnologia inédita de processamento de grafeno desperta interesse da Petrobras - Colunas do Caixa-Forte - Economia: impostos, financiamentos e mais - Pioneiro
 
 

Caixa-Forte19/11/2020 | 07h30Atualizada em 19/11/2020 | 07h30

Tecnologia inédita de processamento de grafeno desperta interesse da Petrobras

Reator de dispersão foi desenvolvido pela Zextec Consultoria Empresarial e UCSGRAPHENE

Tecnologia inédita de processamento de grafeno desperta interesse da Petrobras Hugo Sousa/Divulgação
Reator de dispersão pode transformar o grafeno em soluções líquidas e sólidas Foto: Hugo Sousa / Divulgação

Uma solução tecnológica que pode ampliar as possibilidades de aplicações do grafeno processado no UCSGRAPHENE deverá ser adotada pela Petrobras. É o reator de dispersão que pode transformar o grafeno em soluções líquidas e sólidas. O equipamento tem a finalidade de misturar, da forma mais homogênea possível, o grafeno nos materiais em que ele for aplicado, como compósitos, lubrificantes, tintas e solventes, garantindo também melhor qualidade no produto final. A tecnologia inédita foi desenvolvida pela unidade de nanotecnologia da Universidade de Caxias do Sul em parceria com a Zextec Consultoria Empresarial.

 Quer ler mais textos da coluna Caixa-Forte?   

De acordo com o diretor da Zextec, Hugo Sousa, que esteve à frente do projeto, até o final do ano, já serão feitos testes para aplicação em produtos da estatal.

– A Petrobras nos procurou para as primeiras conversas e nossa ligação ficou mais forte quando eles viram que estávamos com testes avançados e com o reator. Aí ficaram mais interessados ainda. Eles têm interesse na aplicação com nanotecnologia em graxas da Lubrax – exemplifica Souza.

O diretor da Zextec acrescenta que as novas descobertas permitem aplicação do grafeno em quase todos os tipos de produtos, o que abre ainda mais mercado para a planta industrial caxiense.

Projeto da Airbus

A fabricante de aviões Airbus também está na lista das grandes empresas que devem usar a tecnologia caxiense em seus projetos. Segundo o diretor da Zextec, o UCSGRAPHENE está em tratativas com uma empresa intermediária que deve fornecer o material desenvolvido na Serra para a Airbus. A intenção é usar nos projetos de aviões elétricos que estão sendo projetados pela fabricante europeia.

Leia também
Simecs apresenta novidades para 2021



 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros