Mesmo com liberação, maioria dos eventos sociais fica para 2021 - Colunas do Caixa-Forte - Economia: impostos, financiamentos e mais - Pioneiro
 
 

Caixa-Forte28/10/2020 | 17h33Atualizada em 28/10/2020 | 17h33

Mesmo com liberação, maioria dos eventos sociais fica para 2021

Estimativa é do Hub de Eventos da CDL de Caxias do Sul

Mesmo com liberação, maioria dos eventos sociais fica para 2021 Orus Noivas/Divulgação
Cláudia Sassi, diretora da Orus Noivas e Festas, diz que movimento mais animador no setor de aluguel de trajes começou agora Foto: Orus Noivas / Divulgação

Embora Caxias do Sul tenha as condições para a retomada imediata dos eventos sociais, com a restrição de 70 pessoas, de acordo com a regra que prevê este número para municípios com bandeira laranja no último mês, a movimentação maior está prevista mesmo só para o ano que vem.

A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Caxias do Sul e o Hub de Eventos da entidade, que conta com 71 associados, estimam que cerca de 90% das festividades sociais marcadas para 2020 foram canceladas ou adiadas para 2021. Os outros 10% foram os eventos que ocorreram seguindo as restrições de número de pessoas e protocolos, levando em consideração a bandeira vigente.

 Quer ler mais textos da coluna Caixa-Forte?  

O cálculo dos prejuízos até agora é mais difícil de se fazer, porque a entidade diz que é muito mais variável e depende de cada profissional da cadeia, que inclui desde cerimonialistas, casas de eventos, doceiros, floristas, fotógrafos, profissionais da gastronomia, empresas de locação, decoração, bartender, entre outros fornecedores.

Aluguel de trajes é termômetro da melhora de cenário

Cláudia Sassi, diretora da Orus Noivas e Festas, tinha desistido de abrir a loja no bairro Pio X com a pandemia, mas o cenário começou a mudar a partir de setembro. Foi nessa época que começaram a reaparecer os minicasamentos e a empresária decidiu reabrir as portas em pelo menos meio turno.

_ Foi interessante porque muitas noivas disseram que só estavam casando por causa da proposta de miniwedding, já que não tinham condições de fazer casamentos maiores. Mas isso não movimenta o nosso setor. Nós, por exemplo, só alugamos o traje da noiva e do noivo nesse formato, porque os convidados são "de casa" _ aponta Cláudia.

A empresária conta que a Orus conseguiu combater a crise com ações rápidas de enxugamento e renegociação e com a criação de um novo produto para ter, pelo menos, um caixa para suportar gastos fixos, como o custo da loja e da única funcionária que manteve. A empresa lançou a linha casual chic, com t-shirts bordadas a mão. Há cerca de 10 dias, com a perspectiva da liberação de eventos maiores muito mais próxima, o movimento já começou a voltar.

_ Agora recebemos os convidados, padrinhos, e até os formandos, que estavam sumidos, começaram a voltar _ elenca.

Embora o planejamento na pandemia esteja sendo feito mês a mês, Cláudia já projeta, a partir de novembro, reabrir vagas de trabalho e voltar ao horário integral.

Leia também
Saiba como funcionará a nova unidade da Randon em Caxias do Sul


 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros