Pesquisa do Simecs apresenta melhora de indicadores de demanda e faturamento em junho - Colunas do Caixa-Forte - Economia: impostos, financiamentos e mais - Pioneiro
 
 

Caixa-Forte10/07/2020 | 16h58Atualizada em 10/07/2020 | 16h58

Pesquisa do Simecs apresenta melhora de indicadores de demanda e faturamento em junho

Panorama geral da pandemia segue delicado, principalmente para os indicadores relacionados aos empregos na indústria

Pesquisa do Simecs apresenta melhora de indicadores de demanda e faturamento em junho Antonio Valiente/Agencia RBS
Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Levantamento do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul e região (Simecs) mostra que a demanda da indústria apresentou leve melhora em junho. Mais empresas relataram aumento de pedidos e o índice de queda intensa foi 30% menor em relação ao mês anterior. De qualquer forma, a pesquisa mostra que  o panorama geral da pandemia segue delicado, principalmente para os indicadores de faturamento.

A consulta mostra que 16 indústrias relataram aumento de demanda contra apenas uma no mês anterior. 

_ Se continuar nesse ritmo, podemos dizer que o pior já passou. Mas não sabemos os próximos cenários, porque tem a indefinição de abrir e fechar as empresas, a questão de saúde pode se agravar. Mas até agora observamos uma leve melhora nos indicadores, o movimento de início de uma retomada _ aponta Daiane Catuzzo,diretora-executiva do Simecs.

Até agora, o pico da crise econômica foi em abril, porque as empresas fecharam em março e retomaram no mês seguinte, mas precisaram fazer toda uma reorganização, inclusive do quadro de funcionários.

Ainda com o cenário de incertezas, quase 50% das empresas informam queda nos negócios. Dessas, 251 apresentaram diminuição, e 76% acumulam quedas de até 50% no faturamento em relação ao período anterior à pandemia. 

Quase metade das empresas esperam retornar aos patamares pré-crise entre julho e dezembro deste ano, enquanto pouco mais de 40% das empresas consultadas preveem a retomada apenas em 2021.

A consulta foi realizada de forma eletrônica entre os dias 18 de junho e 5 de julho com 315 empresas, 24% a mais em relação ao mês de maio. Esse é o terceiro levantamento do Simecs sobre a pandemia.

Quase a metade das empresas precisou demitir

Com as dificuldades, 44% das indústrias estão mantendo estável o quadro de funcionários, mas 47% demitiram parte do quadro desde o início da pandemia. Assim como no levantamento anterior do Simecs, as medidas mais utilizadas da MP 936 (agora convertida na Lei 14.020/2020) seguem sendo a suspensão do contrato de trabalho e a redução de 50% da jornada, seguida em menor número pela redução de 25%.

Das empresas consultadas que fizeram desligamentos, 77% realizou até 10 demissões e 7% dispensou mais de 50 pessoas.

Maioria não tem casos confirmados de covid

Em relação aos casos confirmados de covid-19, mais de 80% das empresas pesquisadas seguem sem registros. A maioria identificou menos de 4 casos suspeitos e 1,2% relatam mais de 5 pessoas com suspeita da doença. A maior parte das empresas segue trabalhando com 50% da capacidade, com parte significativa dos funcionários em regime de home office. Pouco mais de 20% das empresas não parou em nenhum momento.

Saiba também
Novo decreto de Caxias, com reabertura de serviços aos domingos, divide opiniões de entidades do comércio


 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros