Entidades gaúchas propõem volta gradual às atividades em 1º de abril - Colunas do Caixa-Forte - Economia: impostos, financiamentos e mais - Pioneiro
 
 

Caixa-Forte26/03/2020 | 19h59Atualizada em 26/03/2020 | 19h59

Entidades gaúchas propõem volta gradual às atividades em 1º de abril

Fiergs, Farsul e Fecomércio divulgaram manifesto Pela Reativação da Economia

Pioneiro
Pioneiro

Fiergs (a Federação das Indústrias do RS), Farsul (A Federação da Agricultura do RS) e Fecomércio (Federação do Comércio de Bens e Serviços do RS) divulgaram nesta quinta-feria (26) o manifesto Pela Reativação da Economia Gaúcha. No documento, as três entidades, que representam os principais setores da economia gaúcha, manifestam a preocupação com "a ameaça de desabastecimento caso se prolonguem, além de um limite razoável, as proibições de atividades empresariais" e propõem um retorno gradativo às atividades a partir de 1º de abril.

Leia mais
Prefeitura de Caxias confirma quatro novos casos e divulga estimativa de contágio

A Fiergs detalha em seu site, inclusive, a sugestão ao Governo do RS para operar com 50% da força de trabalho. Quer negociar com o Governo o seguinte dispositivo em decreto: "As indústrias com regramentos específicos quanto à covid-19, atendendo às recomendações da OMS, Ministério da Saúde e Secretaria de Estado da Saúde, poderão operar suas linhas de produção com até 50% da força de trabalho usual em suas atividades-fim".

Já a Federasul, a Federação das Entidades Empresariais do RS, emitiu nota ainda na quarta-feira. "Pela preservação da vida, devemos repensar as estratégias de atuação antes que os recursos se esgotem, antes que a falta do básico provoque perdas ainda maiores de vidas humanas." A Federasul também propõe na nota: "Para combater o vírus, precisamos de uma abordagem cirúrgica, adotando um isolamento vertical e retomando as atividades econômicas".

Isolamento vertical é o isolamento dos grupos de risco. Nesta quinta, em coletiva, o governador Eduardo Leite disse que eventuais revisões no decreto que regula as atividades econômicas no RS ocorrerão somente em cima de "evidências científicas" quanto à evolução do controle da pandemia. Reiterou que o Estado atua em comitê com federações e entidades empresariais e que novas medidas serão apresentadas.

Mercado reage a fala de Bolsonaro

Com a bênção do presidente Jair Bolsonaro, o mercado de ações reage. No sábado, o Pioneiro publicou avaliação do economista Gustavo Bertotti, da Messem Investimentos, dizendo que era hora de comprar ações da Marcopolo, Fras-le e Randon, porque o preço estava baixo, em função da desvalorização por conta do coronavírus.

Nesta quinta, as mesmas ações, que chegaram a acumular perdas de 50% em março, subiram, em média, 15% no fechamento, com um pico de 25% ao meio-dia. Ou seja, quem comprou ações na segunda-feira contabiliza expressivo ganho. Em tempo: as empresas seguem em férias coletivas.

Leia também
Em Caxias do Sul, novo decreto amplia restrição ao funcionamento do comércio em 15 dias
"Fiquem em casa, pelo amor de Deus", diz prefeito de Caxias do Sul
Visate não garante pagamento integral da folha do mês de março a funcionários

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros