"Caderninho" ainda é adotado em minimercados gaúchos - Colunas do Caixa-Forte - Economia: impostos, financiamentos e mais - Pioneiro
 
 

Caixa-Forte01/11/2019 | 13h00Atualizada em 01/11/2019 | 13h00

"Caderninho" ainda é adotado em minimercados gaúchos

Essa ainda é uma estratégia para fidelizar o cliente utilizada especialmente por minimercados de bairros, em que os fregueses são conhecidos dos proprietários

Quem não se lembra da época em que era só ir ao mercado perto de casa, comprar e anotar no "caderninho"? O pagamento só ocorria quando viesse o salário. Muita gente acredita que isso seja um capítulo do período em que o varejo confiava na palavra do consumidor. Mas não.

Essa ainda é uma estratégia para fidelizar o cliente utilizada especialmente por minimercados de bairros, em que os fregueses são conhecidos dos proprietários.

Não se trata apenas de uma percepção da colunista, ao avaliar os pequenos estabelecimentos de vizinhança, mas de uma pesquisa com o aval da Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado  (Fecomércio-RS). Ela será divulgada na segunda-feira, mas a coluna antecipa. O dado impressiona: em sondagem com 385 minimercados gaúchos optantes do Simples Nacional, quase metade (44,2%) deles admitiram que o famoso “caderninho” ainda é um recurso adotado como promessa de pagamento.  

Eles também informaram que o vale-alimentação é um dos meios de quitação mais frequentes, só atrás de dinheiro,  cartão de débito e cartão de crédito.

Leia mais
Concurso Master Gourmet, da Faculdade Fátima, tem vencedora
Quem é o Enólogo do Ano 2019
Prataviera recebe nova hóspede em sua entrada principal

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros