Tecnologia caxiense é escolhida para megaprojeto de 757 prédios populares em Brasília - Colunas do Caixa-Forte - Economia: impostos, financiamentos e mais - Pioneiro
 

Caixa-Forte09/02/2019 | 07h10Atualizada em 09/02/2019 | 07h10

Tecnologia caxiense é escolhida para megaprojeto de 757 prédios populares em Brasília

O tempo de execução da obra será recorde, de 24 meses a partir de março, edificada em um único canteiro com dois milhões de metros quadrados 

Tecnologia caxiense é escolhida para megaprojeto de 757 prédios populares em Brasília Rogério Mor/divulgação
Sistema construtivo da Perfilline adotado em Caruaru, em Pernambuco, envolvendo 22 prédios Foto: Rogério Mor / divulgação

A maior obra de moradias no país financiada pelo programa federal Minha Casa, Minha Vida terá o sistema construtivo fornecido por uma empresa caxiense. Sim, a Perfilline Componentes Metálicos concorre com multinacionais, mas ganha terreno com sua tecnologia de formas metálicas para paredes de concreto. E acaba de conquistar um negócio de números maximizados: assinou contrato com a JCGontijo Engenharia, de Brasília, para fornecer a tecnologia, os projetos e todo o sistema construtivo de 757 prédios de quatro andares, num total de 12.120 apartamentos. 

O tempo de execução da obra será recorde, de 24 meses a partir de março, edificada em um único canteiro com dois milhões de metros quadrados de área. Com o sistema de formas metálicas da Perfilline, o processo assemelha-se ao industrial. O modelo permite, por exemplo, a construção, por dia, de uma casa ou um andar de um prédio.  Ou, por semana, de um prédio de quatro andares.

Dessa forma,  o projeto inicial de Brasília, que contemplava a contratação de 2,5 mil trabalhadores, foi redimensionado para 950 profissionais, agilizando as etapas e reduzindo custos. Serão vários condomínios.

– Nesta megaobra concorremos com empresas alemãs, colombianas, austríacas, sul-coreanas e brasileiras. Quando concluídas as três etapas de fornecimento dos equipamentos, compostos por sistema de formas metálicas, marcos de portas metálicos e estruturas de telhados para todos os prédios, serão consumidas 1,6 mil toneladas de aço – informa Getulio Fonseca, diretor da Perfilline e ex-presidente do Simecs.

Para dar conta desse projeto, além de outros negócios em tratativas, inclusive para os mercados de Guatemala e Equador, a empresa reforçou em 20% a equipe, que agora chega a 105 funcionários. Começa a produzir as formas metálicas na próxima semana, com prazo de seis meses para concluir a entrega.

Esse modelo de construção mais econômico seria excelente para zerar o déficit habitacional de Caxias,  mas “santo de casa não faz milagres”, alfineta Fonseca.

Com a previsão de crescer 116% em 2019,  percentual que se soma à duplicação de resultados nos últimos dois anos, a Perfilline não descarta fechar o ano com mais contratações. Também opera no filão de perfis metálicos especiais, fornecendo para grandes empresas. 

O novo complexo habitacional de Brasília, para o qual a Perfilline foi escolhida para fornecer o sistema construtivo, envolve Valor Geral de Vendas de R$ 1,68 bilhão. Os apartamentos custarão cerca de R$ 120 mil, em vários condomínios.

Há ainda preconceito no mercado em relação a esse método construtivo,  de paredes de concreto, afirma Getulio Fonseca, diretor da empresa, que está em tratativas para fechar negócios de exportação, além de já fornecer essa tecnologia para todo o país, com destaque para o Nordeste.

–  A lição que tiramos da crise é que não podemos mais depender das benesses dos nossos falidos governos. Temos de voltar a ser a Caxias do passado: trabalhar, trabalhar e trabalhar, criando novos negócios inovadores, mirando principalmente as necessidades globais e que são muitas. Isso que nos caracterizou e deverá ser retomado – declara.

Leia mais:

 Marcopolo investe R$ 70 milhões em novo Centro de Fabricação


 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros