Por que os vinhos ainda custam caro nos restaurantes? - Colunas do Caixa-Forte - Economia: impostos, financiamentos e mais - Pioneiro
 

Caixa-Forte05/02/2019 | 17h13Atualizada em 05/02/2019 | 17h13

Por que os vinhos ainda custam caro nos restaurantes?

No total, são degustados 338 milhões de litros de vinho por ano no mercado verde-amarelo, dos quais 65% são rótulos nacionais e 35% importados

Por que os vinhos ainda custam caro nos restaurantes? Ricardo Wolffenbüttel/Agencia RBS
O lucro poderia, sim, ser menor para garantir mais mesas consumindo a bebida-estrela da Serra Gaúcha Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Agencia RBS

Embora ocupe o nono lugar entre as maiores economias mundiais – perdeu duas posições –, o Brasil beberica apenas a 17ª colocação no ranking mundial de consumo de vinho. No total, são degustados 338 milhões de litros de vinho por ano no mercado verde-amarelo, dos quais 65% são rótulos nacionais e 35% importados. 

Essa proporção já foi mais discrepante, com mais marcas estrangeiras nas nossas prateleiras (e cálices). Porém, a alta do dólar encareceu e inibiu o consumo de produtos de fora, ao mesmo tempo em que a qualidade crescente e o prestígio dos aromas brasileiros pesam a favor da nossa indústria vitivinícola.  O trabalho de divulgação também tem sido exemplar. Tanto que o setor acaba de lançar a Pró-Vinho, iniciativa para desenvolver estratégias capazes de atrair novos consumidores e aumentar a frequência com que apreciadores esporádicos degustam a bebida.

Dois canais de venda serão decisivos nesse processo: os supermercados do país, nos quais 27 milhões de pessoas circulam diariamente, e os restaurantes. Nesse último caso, o que ainda prejudica a competição com outras bebidas, como a cerveja, é o custo-benefício ao consumidor.

Há opções de vinho com custos razoáveis em algumas casas, mas em outras o preço afasta o cliente. O produtor de vinho ganha menos do que o revendedor, que apenas o repassa, e o serve. Não é justo. O lucro poderia, sim, ser menor para garantir mais mesas consumindo a bebida-estrela da Serra Gaúcha. 

Estoques existem.  É preciso apenas mais sincronia e pensamento coletivo.

Leia mais:

 Empresária da Serra é selecionada para qualificação na Itália

 Portal gastronômico já reúne 200 estabelecimentos de Caxias

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros