Indústria reage, anima o comércio, mas há desafios no horizonte - Colunas do Caixa-Forte - Economia: impostos, financiamentos e mais - Pioneiro
 
 

Caixa-Forte18/12/2018 | 21h32Atualizada em 18/12/2018 | 21h32

Indústria reage, anima o comércio, mas há desafios no horizonte

É possível repassar a alta de custo sem comprometer a competitividade?

A indústria caxiense encerra 2018 com motivos para irrigar o mercado com uma onda de otimismo. É o segmento com o melhor desempenho no acumulado do ano, o que leva entusiasmo ao comércio às vésperas do Natal. Indústria forte, comércio forte. Até porque há uma defasagem entre a retomada fabril e os respingos no faturamento varejista, que tem na data de Noel uma de suas melhores performances nos negócios no ano. 

Não será nada de extraordinário, mas, em comparação com a apatia do final de 2017, os índices do comércio podem surpreender (ou não?). Isso varia muito de setor, localização, estratégia e público-alvo das lojas.

O certo é que a indústria, primeira a entrar em crise, ainda em 2015, foi a primeira também a esboçar reação nos negócios. Os empregos estão voltando, no mesmo ritmo da retomada da confiança dos empreendedores. 

Porém, há muitos desafios no horizonte, como alertou nesta terça-feira a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Um deles são os custos industriais, que aumentaram 3,8% no terceiro trimestre do ano, por conta especialmente dos insumos importados e da energia elétrica. É possível repassar essa alta de custo sem comprometer a competitividade? 

Esse é o grande paradoxo dos empresários.

Leia mais:

 Executivo de Caxias é anunciado vice-presidente de multinacional

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros