Gilmar Marcílio: vícios - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Opinião06/11/2020 | 07h00Atualizada em 06/11/2020 | 07h00

Gilmar Marcílio: vícios

Há algo ultrapassando o humano em sua capacidade de tomar decisões de autopreservação

Está em Platão a ideia de que os homens, mesmo em pleno uso de sua razão, sucumbem à toda espécie de vícios. Pouco importa o fato de saberem, racionalmente, que isso lhes roubará a liberdade, tornando-os reféns de pulsões incapazes de controlar. Há algo ultrapassando o humano em sua capacidade de tomar decisões de autopreservação. É como se estivessem possuídos e, a despeito do propósito de se salvaguardarem, fossem incapazes de retomar o comando. Quanto a mim, pautei grande parte dos meus dias no sentido de me proteger quando alguma “tentação” se aproximava. É um exercício de vontade, ficando além do desejo lógico, intelectual. Até agora não sucumbi ao álcool, ao cigarro, ao jogo, às drogas, e nem em demasia às redes sociais. Mais do que só demonizá-los, pois se fazem ostensivamente presentes em nossa convivência, vejo a necessidade de olhá-los de frente e resistir. Estamos longe de um mundo asséptico, onde a pureza e a perfeição têm um papel central. Pelo contrário, somos seduzidos constantemente e nossa grandeza se revela justamente na capacidade de transitar entre eles, sem sucumbir, sabedores de seus danos.

Leia mais
Gilmar Marcílio: pulsações
Gilmar Marcílio: revolução invisível
Gilmar Marcílio: desculpe, eu errei

Conheci pessoas brilhantes, mentes privilegiadas, mas incapazes de se manter longe dessa esfera de contaminação. E instalado algum tido de “servidão”, o trabalho de “limpeza” costuma demandar meses. E a chance de reincidir é enorme. Aliás, o correto é classificá-los na categoria de doentes. Durante um ano acompanhei esporadicamente um amigo em reuniões num local dedicado ao tratamento de dependências químicas. Imensa tristeza de descobrir: apesar da desesperadora disposição de saírem desse processo autodestrutivo, a maioria o retomava. Via um esforço enorme sendo feito, mas concomitantemente destruído pelo ímpeto de reencontrar aqueles poucos e intensos minutos ou horas de prazer. O problema é abrir a porta e se entregar. A partir daí, a labuta de reorganização mental e emocional será exaustiva. Em muitos casos, para a vida inteira. Quando penso nisto, percebo-me afortunado por manter um saudável controle sobre as minhas ações. Talvez o mérito seja o de me policiar ostensivamente, buscando aprender com as pessoas que vão ao fundo do poço, sem a certeza que retornarão à superfície novamente.

Considero essa tarefa extremamente importante. Ela demanda a ampliação da consciência sobre os malefícios embutidos em cada dose ou tragada, na satisfação quando ganhamos uma partida. Se você for bem centrado, pode até atrever-se a experimentar, mas, cuidado: a linha que separa a curiosidade da sujeição é quase imperceptível. E uma vez iniciada a jornada de destruição... Portanto, professe sua crença na liberdade de escolha, mas inclua a premência de dizer não. Muito cedo já pode ser tarde. Opte pelo prazer maior: ser dono de si mesmo.

Leia também
Confira a programação completa da 36ª Feira do Livro de Caxias do Sul, que inicia dia 27 de novembro
Prefeitura confirma 36ª Feira do Livro de Caxias do Sul de 27 de novembro a 13 de dezembro, na Praça Dante
CINEMA: confira os horários dos filmes em cartaz a partir desta quinta nas salas de Caxias e Bento
Avaliação Nacional de Vinhos terá Galvão Bueno e Antônio Calloni entre comentaristas

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros