Frei Jaime: que a gente não precise das despedidas para lembrar do quanto gostamos de quem está perto - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Opinião21/11/2020 | 08h00Atualizada em 21/11/2020 | 08h00

Frei Jaime: que a gente não precise das despedidas para lembrar do quanto gostamos de quem está perto

Nos diferentes dias, a vida embala outros ritmos e permite novos sentimentos

Frei Jaime Bettega
Frei Jaime Bettega

jaime@ofmcaprs.org.br

Bom Dia! O sábado é sempre portador de boas novas... Um misto de leveza e de alegria embala as horas do sábado, quando é possível aliviar um pouco as tensões e aumentar a alegria do coração... Nos diferentes dias, a vida embala outros ritmos e permite novos sentimentos... Viver é uma verdade com diferentes pontos de vista, mas com um único ideal: ser feliz! Abençoado sábado! 

"Que a gente não precise das despedidas para lembrar quanto gostamos de quem está perto." 

A vida tem chegadas efusivas e despedidas exigentes. Os ciclos se alternam e os sentimentos necessitam ser construídos ou retocados. A serenidade nem sempre acompanha os diferentes momentos. Altos e baixos se alternam exigindo habilidade e muita maturidade. O maior desafio está, porém, na atenção que é direcionada aos sentimentos, desenvolvendo o autocontrole, evidenciando o que é essencial e relativizando o que pouco soma para o alcance da meta.  

Quer ler mais textos do Frei Jaime?
Clique para conferir textos dos colunistas do Pioneiro  

Mas onde está o âmago da existência? A convivência é o espaço da realização. Ninguém está destinado à solidão. Estar lado a lado é uma escolha preciosa, pois as trocas fortalecem as convicções e alargam os horizontes das possibilidades. Algumas pessoas cansam rapidamente das demais, na ânsia de conhecer sempre novas amizades. É difícil quando alguém deixa de valorizar quem esteve, lado a lado, nos diferentes momentos, sem arredar o pé, pelo simples desejo de querer bem. 

Exaltar aqueles que você encontra de tempos em tempos não é difícil. O desafio reside na capacidade de impedir a rotina, a mesmice e o tanto faz. Não são poucos aqueles que passam a valorizar só depois que perderam, sentem falta quando já é impossível recuperar a presença. O amor não perde o brilho, não deixa de ser um diferencial, justamente por ser eterno. A convivência, por sua vez, tem diferentes estágios. A maturidade, no entanto, é a etapa mais serena da existência, pois as exigências passam a estar acompanhadas da serenidade, onde a compreensão e o perdão se movimentam para fortalecer o amor. Onde o amor se instaura, quando mais tempo junto, maior é o crescimento e mais profunda é a vontade de viver. Amar é um gostar eterno. 

Bênção! Paz & Bem! Santa Alegria! Abraço!

Leia também
Em fase de acabamento, Estação Férrea de Farroupilha deve ser inaugurada em dezembro
Na Cozinha: aprenda a fazer bolo de banana com calda de café
Saiba qual é a plaquinha que ganhou espaço no comércio caxiense com a pandemia

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros