Os 100 anos de dona Clary Lazzarotto Michielon - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Memória21/10/2020 | 07h00Atualizada em 21/10/2020 | 07h00

Os 100 anos de dona Clary Lazzarotto Michielon

Uma das moradoras mais antigas da Av. Júlio, dona Clary nasceu em 1920

Os 100 anos de dona Clary Lazzarotto Michielon Studio Geremia/Acervo de família,divulgação
As Bodas de Prata em 1962: Clary e Nelson Michielon com os filhos Raul, Roberto, Neusa e Sergio (sentado) Foto: Studio Geremia / Acervo de família,divulgação

Dona Clary Mariana Lazzarotto Michielon é provavelmente uma das moradoras mais antigas da Av. Júlio de Castilhos – especialmente do trecho compreendido entre a Marechal Floriano e a Garibaldi, onde situa-se o Edifício Ettore Lazzarotto. Não é para menos: no último dia 8 de agosto, a simpática senhora completou um século de vida. Mas toda essa trajetória começou bem longe dali.

Primogênita do casal Ettore Lazzarotto e Adélia Triches Lazzarotto, Clary nasceu em 8 de agosto de 1920, na antiga Sétima Légua de Caxias, entre os bairros Santa Catarina e Marechal Floriano. Irmã de Ítalo, Zila e Niva, a “menina” lembra de, até os cinco anos, falar apenas em italiano – Bortolo Triches, o avô materno, foi um dos primeiros imigrantes a chegar à Colônia Caxias, em 1876, oriundo da província de Belluno.

Já adolescente, Clary passou a frequentar o internato do Colégio São José, onde formou-se em 29 de dezembro de 1936 (foto oval). Ela não chegou a lecionar, mas lembra que, à época, o então prefeito Dante Marcucci ofereceu-lhe uma vaga para ser professora do Município.

– Como eu era muito nova, meu pai disse que só no ano seguinte – conta.

O ano seguinte, porém, reservou-lhe o casamento com o jovem Nelson Dante Michielon, em 4 de dezembro de 1937 – tanto a cerimônia religiosa quanto a festa ocorreram nos salões da lendária Vinícola Michielon, em Lourdes. Foi ali, em uma das casas da família do marido, próximas ao antigo Orfanato Santa Terezinha, que o casal viveu até meados de 1948 – ano em que eles residiram em Porto Alegre, gerenciando o escritório da firma.

Vinícola Michielon: a Adega Santa Tereza e os Vinhos Cruzeiro

Detalhe: ainda menor de idade, dona Clary precisou de uma autorização judicial para casar. Da união com Nelson nasceram quatro filhos: Sergio, Raul, Neusa e Roberto, que lhe deram sete netos (Marcelo, Henrique e Olavo, filhos de Sergio e Adriana Sassi), Andre e Gustavo (filhos de Raul e Lilia Dambros) e Roberto e Gabriela (filhos de Roberto e Maria Regina Souza). A família é completada ainda por sete bisnetos: Lucas, Júlia, Eduardo, Manuela, Theodora, Stella e Rafael.

Leia mais
Clary Lazzarotto e a formatura das alunas-mestras do Colégio São José em 1936
Formatura de Datilografia do Ginásio São Carlos em 1945
Formandas da Escola Normal Duque de Caxias em 1957
A formatura das normalistas de 1964

Clary Lazzarotto Michielon, que completou 100 anos em 8 de agosto de 2020. Na foto, Clary por volta de 1936.<!-- NICAID(14621078) -->
A jovem Clary em meados dos anos 1930Foto: Julio Calegari / Acervo de família,divulgação
Casamento de Clary Lazzarotto Michielon e Nelson Michielon em 4 de dezembro de 1937.<!-- NICAID(14621080) -->
O casamento de Clary e Nelson Michielon, ocorrido nas dependências da Vinícola Michielon em 4 de dezembro de 1937Foto: Studio Geremia / Acervo de família,divulgação
Clary (sentada à direita, com a filha Neusa no colo), os pais e familiares em 1944Foto: Studio Geremia, acervo de família / Divulgação

 Um registro em 1944

Na foto acima, Clary (sentada à direita) com os filhos Raul e Sergio (à frente) e Neusa (no colo). Atrás, o marido Nelson Michielon (D) e os irmãos Zila, Ítalo e Niva (sentada à esquerda). A foto foi registrada em 1944, por ocasião das bodas de prata dos pais, Ettore Lazzaroto e Adélia Triches Lazzarotto (ao centro).

Abaixo, outro registro das bodas de prata de Clary e Nelson em 1962, com a mãe e os filhos.

Bodas de prata em 1962: a partir da esquerda, os irmãos Roberto, Neusa e Raul Michielon. Sentados, Sérgio e a mãe ClaryFoto: Studio Geremia, acervo de família / Divulgação

Leia mais
Trechos da Avenida Júlio nos anos 1940
Você é um morador "raiz" de Lourdes? Teste seus conhecimentos
Miniaturas que resgatam a história de antigas vinícolas
Vinícola Michielon: um Fusca de presente na Festa da Uva de 1969
Michelin Filmes: o filme de divulgação da Festa da Uva de 1969 

A primeira-comunhão de dona Clary, em 1930Foto: Julio Calegari, acervo de família / Divulgação

O Edifício Ettore Lazzarotto e a Malharia Trilá

A origem do Edifício Ettore Lazzarotto, onde dona Clary reside desde os anos 1960, tem uma história curiosa. Em meados dos anos 1930, Ettore, um dos fundadores da Cooperativa Madeireira Caxiense, residia com a esposa e os filhos no bairro São Pelegrino.

Ao visitar uma irmã doente no Hospital Pompéia, o industrialista interessou-se pelo terreno no barranco em frente – à época, a Júlio ainda não havia sido rebaixada. Comprou-o e ali construiu a nova casa da família, concluída por volta de 1940 (sede do atual Café Nobre no térreo).

Memórias na vertical: as curiosidades dos antigos prédios de Caxias do Sul

Tempos depois, um prédio menor surgiria nos fundos. Foi onde passou a funcionar a Malharia Trilá, nome escolhido a partir da junção das primeiras sílabas dos sobrenomes Triches e Lazzarotto. Esse prédio foi também a moradia de dona Clary até a conclusão do imponente edifício batizado com o nome do pai ao lado da casa – onde ela, o marido e os filhos passaram a residir, no apartamento do primeiro andar, a partir de 1961.

Foi ali, tendo a casa dos pais e os dois prédios interligados, que dona Clary atuou no varejo da malharia e mesclou seu cotidiano a vários personagens e estabelecimentos do entorno.

Entram aí o Hospital Pompéia, os consultórios dos médicos José Brugger e Félix Spinato, o Palacete das Damas de Caridade, a Igreja Metodista, a família e o casarão de Ary De Carli e dos Amoretti, a parteira Ana Rochetti, o dr. Fracasso, a Sociedade Caxiense de Mútuo Socorro, a Alfaiataria La Bomba, a Farmácia Confiança, a Interlojas, entre tantos outros...

Leia mais
Para recordar da professora Gislaine Amoretti
Os Amoretti: conheça o casarão mais antigo do Centro habitado pela mesma família
Primórdios do Hospital Del Mese, na Avenida Júlio
Parteira Ana Rochetti, a mãe de Caxias
Ana Rochetti: lembranças dos primeiros anos de vida
Ary de Carli e um palacete na Avenida Júlio de Castilhos 
Ruas de Caxias: o antes e o depois das obras em 1940
Uma esquina em obras nos anos 1940
Caxias de outros tempos: teste seus conhecimentos

Fomratura de Clary Lazzarotto em 1936, no Colégio São José. Data: 29 de dezembro de 1936<!-- NICAID(14621082) -->
Registro da formatura de dona Clary no Colégio São José em dezembro de 1936Foto: Studio Geremia / Acervo de família,divulgação

Longevidade

Detalhes da trajetória de dona Clary – como a devoção a Santa Rita de Cássia e a atuação como noveneira da Paróquia Santa Teresa – e da evolução de Caxias ao longo do século 20 renderiam um livro, vide a perfeita lembrança de vários episódios testemunhados por ela desde 1920. 

O segredo dessa longevidade talvez seja não pensar na idade, o que ela confirmou em vários momentos da entrevista feita na última semana.

– Eu nunca, mas nunca mesmo pensei que fosse chegar aos 100 anos.

Indiretamente, a “receita” foi dada:

– Eu só tenho a agradecer. Nossa família foi muito feliz.

Clary Lazzarotto Michielon, que completou 100 anos em 8 de agosto de 2020.<!-- NICAID(14621076) -->
Dona Clary celebrou 100 anos em 8 de agostoFoto: Lilia Dambros Michielon / Divulgação

Leia mais
Hospital Pompéia: livro resgata a história do Pio Sodalício das Damas de Caridade
Berçário do Hospital Pompéia nos anos 1960
Hospital Pompéia: o palacete das Damas de Caridade em 1947  
Um relicário para Lucia Carbone
Um almoço no Caxias Hotel em 1947
Médico Augusto Caetano Sartori: um século de histórias
Origens do Pompéia: a Casa de Negócios de Stefano Luigi Alberti
Morre, aos 99 anos, seu Oscar Boz, cineasta amador que eternizou Caxias nos anos 1950
Morre, aos 91 anos, Elite Gianella Tonolli, filha de Matteo Gianella
Para recordar de dona Itália Gianella Baldisserotto
A trajetória de Hugo Grazziottin, autor de alguns dos prédios mais famosos de Caxias do Sul

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória 

get="_blank">Leia antigos conteúdos do blog Memória 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros