A arte não para #19: os Ragazzi Dei Monti agora ensinam a tocar e cantar o folclore italiano na internet - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Música16/10/2020 | 08h00Atualizada em 16/10/2020 | 08h00

A arte não para #19: os Ragazzi Dei Monti agora ensinam a tocar e cantar o folclore italiano na internet

Tradicional grupo de Monte Belo do Sul lança site com videoaulas do seu repertório para todos os instrumentos

A arte não para #19: os Ragazzi Dei Monti agora ensinam a tocar e cantar o folclore italiano na internet Arquivo pessoal/Divulgação
A cantora Mara Eluiza Manzoni em sessão de gravação para o site Ragazzi Digital Foto: Arquivo pessoal / Divulgação

Nas três décadas em que os Ragazzi Dei Monti se dedicam a divulgar a música folclórica da imigração italiana pelo Brasil, talvez o projeto mais ambicioso tenha surgido justamente no momento mais complicado dessa trajetória. Longe dos palcos desde março, a banda de Monte Belo do Sul apostou na migração para o digital durante este período, lançando o site www.ragazzidigital.com.br.

  Leia também
A arte não para #10: Tatiéli Bueno
A arte não para #11: Paralela  
A arte não para #12: Cristian Rigon
A arte não para #13: Quiquiprocó
A arte não para #14: Márcie Vieira
A arte não para #15: Médicos do sorriso
A arte não para #16: Roberta Spader
A arte não para #17: Jorge Valmini
A arte não para #18: Cia Espicula

Nesta empreitada, viabilizada pela Lei Estadual de Incentivo à Cultura, além das letras e cifras de 20 músicas, sendo 10 autorais e 10 do folclore italiano, os “meninos da montanha” ensinam a cantar e a tocar a parte de cada instrumento. De segunda a sexta-feira, a cada dia entra a videoaula de um instrumento (vocal, teclado, guitarra, contrabaixo e bateria). No sábado, é postado o clipe com a banda completa. Para escrever as partituras, foram contratados o maestro Paulo Johan e o baterista Alisson Seben. O projeto irá durar cinco meses, mas o site será permanente, sendo também uma forma de ajudar na preservação da cultura a qual os Ragazzi se dedicam.

– Todos estão precisando se reinventar nessa pandemia e conosco não foi diferente. Em janeiro vamos completar 30 anos de história, sendo que principalmente nos últimos 10 anos subimos ao palco praticamente em todos os finais de semana. A pandemia nos deixou sem chão, mas nisso descobrimos o quanto ainda podíamos levar nosso trabalho mais longe, graças à internet – destaca a cantora Mara Eluiza Manzoni, uma das fundadoras da banda.

Mara comenta que a pandemia atingiu o grupo justamente em seu período de alta temporada, a partir de abril, quando o calendário é mais rico em eventos turísticos e gastronômicos. As videoaulas foram uma saída para manter a banda ativa e amenizar as perdas financeiras.

– Temos alguns integrantes que vivem da música, além da equipe técnica que nos acompanha, de som e iluminação. Eles dependem deste recurso. Além disso, com o site mantemos a banda ativa, já que não sabemos quando será possível voltar a fazer shows – comenta Mara.

Além do site, a banda também aposta em lives patrocinadas. Um projeto que prevê a realização de 10 apresentações na internet teve o financiamento público aprovado, mas está em fase de captação. Para acompanhar as futuras apresentações, basta segui-los nas redes: @ragazzideimonti.

Completam o septeto Alvaro Manzoni (voz), Juliano Navarini (acordeom e teclado), Jair André Graebin (baixo), Isaias de Almeida (guitarra), Cristiane de Almeida (voz); e Leandro dos Santos (bateria).

Leia também
Exposição celebra os 80 Anos da Biblioteca Pública Castro Alves, de Bento
Banda Sirius lança single que fecha trilogia de 2020
Pernambucano Bozó Bacamarte visita Caxias em projeto do Instituto SAMbA 
André Costantin: Jacobpacabana
Já assistimos ao documentário sobre o Blackpink, que entrou em cartaz nesta quarta 


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros