Sandra Cecília Peradelles: amar e mudar as coisas - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Opinião14/09/2020 | 19h26Atualizada em 14/09/2020 | 19h26

Sandra Cecília Peradelles: amar e mudar as coisas

 Mudar exige olhar para dentro, encarar o espelho e assumir não há perfeição

Sandra Cecília Peradelles
Sandra Cecília Peradelles

comunicaperadelles@gmail.com

Mudar é uma condição intrínseca à humanidade. Estamos, desde sempre, em constante mutação. Bom, foi assim que chegamos até aqui. Transformando, evoluindo. O meio, nós. Impossível que durmamos as mesmas pessoas as quais acordamos. A pessoa que fomos ontem já sabemos, já conhecemos.

Permanecer pode ser mais fácil, eu sei. Já carreguei nos ombros o peso da estática. Esta que nos dá o conforto da covardia. Ficar exatamente onde se está nos faz não ter que encarar as dores que a mudança. Sim, mudar dói, mesmo que seja algo mínimo. Mudar exige olhar para dentro, encarar o espelho e assumir não há perfeição. 

Leia mais
Sandra Cecília Peradelles: ansiedade, saudade do futuro
Sandra Cecília Peradelles: ser mulher, transexual

Ninguém está totalmente satisfeito com quem se é. E tudo bem. Eu, particularmente, não vejo com os melhores olhos aqueles que se veem divinos. Vejo-os incautos e vaidosos. Oras, quem, enquanto ser e humano, nada tem a melhorar? 

Cada um de nós é um conjunto perfeitamente desconjuntado de carne, ossos e espírito. Estamos todos aqui, a dividir a existência, o passo largo ou titubeante de caminhar sobre este planeta úmido. Possivelmente, compartilhamos a sina de tentar ser gente melhor, mais expressiva, mais bela - até do lado avesso da costura. Sina duríssima essa. E belíssima, também

Viver é uma viagem a barco, num mar que, por vezes, é revoltoso e, em outras, se mostra tranquilo e acolhedor. Por mais que a viagem seja difícil, minha experiência já me ensinou que sempre podemos dar conta. Não importa em quais condições da viagem, o importante é que estamos navegando. No meu caso, mesmo que mal tenha adentrado a um barco, mesmo que eu conheça tão pouco do mar, velejo rumo aos meus sonhos. Não temo ficar à deriva, hora dessas eu me encontro. Sou marinheira com cais e sem mar. 

Navegar é viver.  Viver é seguir. Seguir é mudar. Então, mude. 

Mude de casa, de país, de relacionamento. Mude as metas, o caminho costumeiro do cotidiano. Mude de trabalho, de faculdade, de posicionamento, de atitude. Mude os móveis do quarto de lugar. Sua cama na contramão da porta pode te trazer uma nova perspectiva de olhar. E essa outra possibilidade pode alterar tudo. E se o mundo virar de cabeça pra baixo, você pode aprender a plantar bananeira. Não ia ser demais? 

Não está feliz? Pare, reflita, se organize, mude!

Mude hábitos se achar que deve. Se tiver vontade. Comece hoje, não espere mais. A melhor segunda-feira para se começar vida nova pode ser a quarta-feira que você decidir. O tempo é todo seu! 

Mas, veja bem, mude por que você acredita que será o melhor a se fazer. Mudança exige percorrer um caminho de dor dentro da adaptação e, muitas vezes, caminhar no escuro. Nenhuma personalidade influenciadora “good-vibes-namastê-coach-de-sucesso” entende o seu eu mais profundo e suas necessidades reais. A fórmula do sucesso não existe. 

Desconfio, porém, que Belchior tinha razão. Viver plenamente tem muito a ver com amar e mudar as coisas. E, isso, com certeza, me interessa mais. 

Leia também
Contemplada no primeiro lote, Bento Gonçalves recebe mais de R$ 800 mil em recursos da Lei Aldir Blanc
Projeto Hip Hop nas Escolas é retratado em documentário sobre economia criativa; assista

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros