Planeta Atlântida não irá acontecer em 2021 - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Volta em 202224/09/2020 | 13h32Atualizada em 24/09/2020 | 13h32

Planeta Atlântida não irá acontecer em 2021

Decisão tem o objetivo de preservar a segurança do público, das equipes, dos artistas e dos parceiros do festival devido à pandemia

Planeta Atlântida não irá acontecer em 2021 Marco Favero/Agencia RBS
Em 2020, evento reuniu 75 mil pessoas nos seus dois dias Foto: Marco Favero / Agencia RBS

O Planeta Atlântida existe, desde 1996, para oferecer experiências inesquecíveis para todas as idades e transformar o litoral gaúcho no palco de uma grande festa, embalada pela música de grandes atrações nacionais e internacionais. Não por acaso, o conceito do festival evoluiu, ao longo dos últimos anos, para “só quem vai sente”. Por conta da pandemia do coronavírus e todos os seus desdobramentos, o evento não irá acontecer em 2021. 

A decisão, comunicada em primeira mão no programa Pretinho Básico das 13h desta quinta-feira (24), tem como objetivo preservar a segurança do público, das equipes, dos artistas, dos parceiros e de toda a sociedade gaúcha, além de manter vivos atributos uniques do festival, não replicáveis nos modelos disponíveis para realização de eventos durante a pandemia.

— O Planeta Atlântida é mais do que um festival de música. É a maior festa do verão gaúcho. É energia, curtição e alto-astral. Sentimentos que, atualmente, não estão alinhados com o momento em que vivemos. Não realizar o evento em 2021 não foi uma decisão fácil, mas tem um objetivo maior, que é a saúde de todo mundo envolvido. Desde o início da pandemia do coronavírus, todas as decisões que tomamos aqui na RBS tem o objetivo de cuidar das pessoas. Com o Planeta, tanto a RBS quanto a DCSet entenderam que essa era a única alternativa possível nesse momento — afirma o diretor-executivo de Marketing do Grupo RBS, Marcelo Leite.

Ainda que o festival ocorra somente em fevereiro, o anúncio foi feito nesta quinta-feira como um ato de respeito ao público, que anualmente se planeja para curtir a grande festa, e se soma ao fato de que um evento como o Planeta Atlântida precisa de ao menos seis meses prévios de produção, o que inviabiliza a definição em um prazo menor. A decisão está alinhada ao posicionamento de grandes eventos nacionais e internacionais, como Lollapalooza, Réveillon do Rio e Natal Luz de Gramado.

— Adiar um projeto como o Planeta é frustrante, mas é o que exige o momento que vivemos. Tenham certeza que em 2022 faremos o melhor de nós. Até lá, esperamos poder receber nossos milhares de Planetários na maior festa do nosso verão — destaca Cicão Chies, sócio da DC Set Group e um dos criadores do Planeta Atlântida.

O maior festival de música do sul do país retornará em 2022 em uma edição especial. Apenas em 2020, o evento, realizado pelo Grupo RBS e pela DC Set Group com patrocínio de Renner, Coca-Cola, Skol e Banrisul, agitou o litoral gaúcho e reuniu mais de 75 mil pessoas em dois dias, quando 51 atrações se revezaram em três palcos e animaram o público ao longo de mais de 22 horas de música. Até lá, os realizadores do Planeta já estão planejando alternativas para se conectar com o público, o maior patrimônio do festival. Novidades devem ser anunciadas em breve.

Leia também
Artistas podem se inscrever para a próxima edição do Ordovás Sunset
A arte não para #16: as imersões virtuais da bailarina Roberta Spader 
Veterano do cinema, Ruy Guerra participou de live do Festival de Cinema de Gramado

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros