Novo empreendimento voltado para o enoturismo no Vale dos Vinhedos aposta na arte como diferencial - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Turismo12/09/2020 | 08h00Atualizada em 12/09/2020 | 08h00

Novo empreendimento voltado para o enoturismo no Vale dos Vinhedos aposta na arte como diferencial

Vinícola Cave do Sol recebe visitantes desde o último dia 4, em esquema de "soft opening" enquanto durar a pandemia

Novo empreendimento voltado para o enoturismo no Vale dos Vinhedos aposta na arte como diferencial Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Fachada da Cave do Sol, às margens da ERS-444. As boas-vindas ficam por conta do Sol Negro, obra feita com antigas bombas de processar uvas Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Com que idade se deve desistir de realizar sonhos? Arnaldo Passarin, aos 86 anos, desconhece a resposta. O paulista de Jundiaí, que desde 1954 reside em Flores da Cunha, acaba de capitanear o lançamento do mais novo empreendimento voltado para o enoturismo no Vale dos Vinhedos, a Vinícola Cave do Sol. Às margens da ERS-444, num terreno de 36 mil metros quadrados, a construção une modernidade e bom gosto à tradição de uma família que há quase um século se dedica à vitivinicultura, mas que só agora decide atrelar sua história ao enoturismo.

Já cantava Raul Seixas que sonho que se sonha junto é realidade. Pois foi ao lado da esposa, Arlete, e dos filhos César, Cristian e Cristiane, que Passarin elaborou o conceito da Cave do Sol, erguida em uma área adquirida pelo empresário em 1998, quando o turismo ainda engatinhava neste que hoje é um dos destinos mais procurados do país, em Bento Gonçalves. Também foi naquela época que a família registrou o nome da empresa. Além de estampar o logo da marca, o astro-rei do sistema solar é tema de algumas obras de arte que irão encantar os visitantes. 

– Cave do Sol é um nome que sempre agradou à família, por isso garantimos o registro mesmo sem ter a intenção de usá-lo na época. O sol é celebrado em diversas culturas, entre elas os povos incas, que foi a representação que escolhemos para ser o nosso logo – conta Cristian.

Desde o último dia 4 a abertura ao público ocorre em soft opening, atendendo às restrições impostas pela pandemia. Há opção de passeios guiados por enólogos e sommeliers, que contam a história da empresa e da família e discorrem sobre 34 rótulos à venda, entre vinhos, espumantes e sucos. O carro-chefe é o tinto seco cabernet sauvignon Capitão Chico, alusão ao apelido que acompanha Arnaldo Passarin desde a infância. Sobre seus tempos de menino no interior paulista, aliás, o empresário gosta de contar como iniciou a trabalhar ainda muito jovem. A família tinha uma pequena produção de vinhos, de legumes e de leite, e ele era o encarregado de entregar o leite para a vizinhança.

– Minha vida mudou do leite pro vinho – diverte-se Arnaldo.

Arnaldo Passarin, empresário à frente da vinícola Cave do Sol, e sua esposa Arlete Passarin.<!-- NICAID(14589965) -->
Arnaldo Passarin e a esposa, Arlete, brindam ao novo empreendimentoFoto: Lourdes Conci da Silva / Divulgação

A saga dos Passarin é contada em texto e fotos numa das paredes da Cave do Sol. Cristiane Passarin conta que seus bisavós, Giuseppe e Caterina, se conheceram e se apaixonaram no navio que os trouxe da Itália para o Brasil, em 1888. Tiveram 11 filhos, entre eles, Guido Passarin, pai de Arnaldo. Guido se casou com Lúcia, mulher que, segundo conta Cristiane, trouxe para a família o faro para o marketing e para o turismo. 

– A casa tinha um quartinho para a produção de vinho, e minha avó, para atrair a freguesia, armou um balcão na frente de casa onde ela fazia queijinho frito, linguiça, polenta, com degustação para quem chegava – conta.

Conforme os negócios passaram a prosperar, nos anos 1950 Guido Passarin passou a comprar vinho em terras gaúchas, mais especificamente em Flores da Cunha. Arnaldo, filho caçula e solteiro, era o encarregado das viagens de caminhão desde Jundiaí, que duravam semanas. 

 BENTO GONÇALVES, RS, BRASIL, 04/09/2020 - Cave do Sol é o nome do novo empreendimento enoturístico do Vale dos Vinhedos que abre ao público na sexta-feira. O investimento é da família Passarin, cuja história na elaboração de vinhos será contada pela própria arquitetura do local com destaque para esculturas, como a do Sol Negro, que dá as boas-vindas a todos que chegam na vinícola. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)<!-- NICAID(14584440) -->
Linha do tempo com texto e fotos que contam a história da família Passarin Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Entre as tantas vindas para a Serra, tomou gosto pela região e decidiu empreender em parceria com a família Tonet, adquirindo uma pequena vinícola que estava desativada. Em meados dos anos 1970 conheceu Arlete Tonet, que se tornaria sua companheira inseparável e mãe dos três filhos. Em 1973, o empresário adquiriu a União de Vinhos do Rio Grande, empresa que alavancaria de vez o nome da família. É das pipas que armazenavam o vinho na agora desativada sede da União que foi retirada boa parte da madeira utilizada para a parte de varejo da Cave do Sol.

A mudança da operação de Flores da Cunha para Bento Gonçalves, com o lançamento da Cave do Sol e a realização da vocação turística da mãe, é um acontecimento que Arnaldo Passarin considera só ser possível graças união da família:

– O melhor da vida é a família. E quando temos uma família que compartilha dos mesmos sonhos, tudo fica mais fácil. Ver meus filhos engajados neste projeto é ainda mais realizador – celebra, em depoimento gravado de casa, por conta da pandemia.

Cidadão florense reconhecido pela Câmara de Vereadores em 2008, Passarin é atuante no setor vitivinícola, já tendo exercido cargos na diretoria do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) e na Associação Gaúcha de Vinicultores (Agavi). Também é idealizador e presidente da Associação dos Produtores de Suco Puro. O filho Cristian, ao comentar sobre a mente tão ágil quanto interessada do pai, brinca que quem sofre com isso é o biógrafo contratado para escrever um livro de memórias do empresário:

– Mesmo com tanta história pra contar, meu pai não gosta de ficar falando do passado. Só interessam a ele o presente e o futuro. 

Arte por todos os lados

 BENTO GONÇALVES, RS, BRASIL, 04/09/2020 - Cave do Sol é o nome do novo empreendimento enoturístico do Vale dos Vinhedos que abre ao público na sexta-feira. O investimento é da família Passarin, cuja história na elaboração de vinhos será contada pela própria arquitetura do local com destaque para esculturas, como a do Sol Negro, que dá as boas-vindas a todos que chegam na vinícola. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)<!-- NICAID(14584455) -->
Mosaico forma um sol inca na cave reservada para degustações em grupoFoto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Ao chegar na Cave do Sol, o visitante não se impressiona apenas pelo tamanho da estrutura, mas também pelo charme do projeto assinado pela reconhecida arquiteta Vanja Hertcert, especializada em arquitetura do vinho. O complexo é adornado por diversas obras de arte assinadas por artistas da região, tanto na parte externa quanto no interior do prédio. Logo na chegada, dá as boas-vindas um “sol negro” de oito metros de altura, feito a partir de um conjunto de oito antigas bombas usadas para processar uvas. À noite, iluminado, a obra é ainda mais deslumbrante. 

Também com destaque, no interior da vinícola pode ser conferida a obra As Uvas do Sol, uma escultura em formato de painel que representa um cacho de uva em cobre e latão. Utilizando peças da unidade desativada, em Flores da Cunha, as obras têm a assinatura dos artistas Aido Dal Mass e Rubens Sant’Anna Filho. 

 BENTO GONÇALVES, RS, BRASIL, 04/09/2020 - Cave do Sol é o nome do novo empreendimento enoturístico do Vale dos Vinhedos que abre ao público na sexta-feira. O investimento é da família Passarin, cuja história na elaboração de vinhos será contada pela própria arquitetura do local com destaque para esculturas, como a do Sol Negro, que dá as boas-vindas a todos que chegam na vinícola. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)<!-- NICAID(14584462) -->
As Uvas do Sol, uma escultura em formato de painel que representa um cacho de uva em cobre e latãoFoto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Também é imperdível o surpreendente mosaico que forma um sol inca no chão da sala reservada para degustações em grupo. Recebendo iluminação natural por uma pequena abertura no telhado, trata-se de uma representação do sol iluminada apenas pela luz do próprio sol. A concepção é da designer Sirlei Chiminazzo e a criação é da artista plástica Karen Poletto Jacobs.

Cristian Passarin explica que a valorização da arte e dos artistas locais é um diferencial que a Cave do Sol busca em meio a dezenas de vinícolas e cantinas:

– Não faria sentido inaugurar uma vinícola que trouxesse apenas mais do mesmo. Vinho, arte e tradição têm que andar juntos. Ainda queremos trazer muito mais arte pra cá.

Serviço
O quê
: vinícola Cave do Sol
Onde: km 20 da ERS-444, no Vale dos Vinhedos
Quando: visitações às sextas e sábados, das 10h às 17h, e aos domingos, das 10h às 16h (soft opening durante a pandemia)

Leia também
Projeto Circo Sonoro seleciona atrações para a sua terceira edição, em Caxias
Prazo para se inscrever em edital que irá contemplar projetos artísticos em Caxias encerra nesta sexta
Prazo para se inscrever em edital que irá contemplar projetos artísticos em Caxias encerra nesta sexta


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros